Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

“Eleições Municipais 2024”

Irapuan Diniz Aguiar é advogado

Com o título “Eleições municipais 2024”, eis artigo de Irapuan Diniz de Aguiar, advogado e professor. Ele aborda o pleito eleitoral e os problemas que um gestor deveria resolver de fato.

Confira:

Nestes poucos meses que antecedem às eleições, os pré-candidatos a prefeito das grandes cidades costumam direcionar seus discursos para temas que, na verdade, não são da competência do município como, por
exemplo, o desemprego e a segurança pública. Guiam-se, nesse sentido, pelas pesquisas de opinião pública que apontam tais problemas como os que mais afligem a população.

Nesse sentido cabe alertar aos votantes de que a eleição municipal tem natureza diversa das eleições nacional e estadual, ou seja, as grandes questões, como desemprego, inflação, crescimento econômico e
segurança pública devem sair de cena para dar lugar a itens como buracos nas ruas, mobilidade urbana, praças, parques, áreas de lazer, transportes coletivos, iluminação pública, etc. numa discussão que envolva a
direta participação da comunidade para, aí sim, apresentar propostas consistentes com vistas aos seus equacionamentos.

Na área do desemprego pouco um prefeito pode fazer para diminuí-lo. Quem gera desemprego ou emprego, é política econômica, atribuição esta do governo federal. Um candidato que proponha, portanto, resolver tal problema, desconfie-se. Onde mais um prefeito pode empregar é na própria prefeitura, mas isto não é criação de emprego – é empreguismo. Em relação à segurança pública, este é um assunto que, pela Constituição, cabe aos Estados e, nos casos de contrabando e tráfico de entorpecentes, à União.

Um prefeito pode, quando muito, contribuir para a segurança, através da melhoria da iluminação pública ou cuidando do bom estado das ruas, praças e edifícios públicos. Mas de um candidato que apregoe ser capaz de assumir o combate direto à criminalidade, desconfie-se. Será, muito provavelmente, um demagogo. Quando acrescenta que vai mobilizar a Guarda Municipal para a repressão ao crime, à demagogia se soma a confusão. Se duas polícias, a civil e a militar, tal como se apresentam por dis positivo constitucional, já ocasionam conflitos suficientes, em razão da rivalidade e da imprecisão na divisão de competências, imagine-se o que pode
acontecer com a entrada em cena de uma terceira.

Recomenda-se, assim, que o eleitor avalie se o candidato realmente tem disposição e gosto pelas questões municipais.

*Irapuan Diniza de Aguiar,

Advogado e professor.

COMPARTILHE:
Mais Notícias
“Anavantú a cantores de fora e Anarriê para artistas locais no São João de Fortaleza”

“Anavantú a cantores de fora e Anarriê para artistas locais no São João de Fortaleza”

"Que a programação seja ampliada, com a inclusão de artistas que dedicam sua vida a essa temática", aponta o músico e sindicalista Amaudson Ximenes. Confira: A programação recentemente anunciada do

Vozão poderá sentir hoje o “gostinho” do G4, após 44 partidas pela Série B

Vozão poderá sentir hoje o “gostinho” do G4, após 44 partidas pela Série B

Desde a última temporada, além de cinco rodadas neste ano, que o Vozão ainda não conseguiu sentir o "gostinho" de entrar no G4 da Série B do Campeonato Brasileiro, quando

Cai helicóptero que transportava presidente do Irã

Cai helicóptero que transportava presidente do Irã

O helicóptero que transportava o presidente do Irã, Ebrahim Raisi, 63, e o ministro Hossein Amir-Abdollahian, das Relações Exteriores, caiu neste domingo (19), quando sobrevoava as montanhas do Azerbaidjão. Segundo

“Ninguém me ensinou sobre finais”

“Ninguém me ensinou sobre finais”

"Me tornei mãe, agora eu que recebo as cartinhas e músicas", aponta a pedagoga Cynthia Rabelo. Confira: Mês de maio sempre foi um mês que me deixava feliz. Seja por

Associações LGBT questionam no STF leis que proíbem uso de linguagem neutra

Associações LGBT questionam no STF leis que proíbem uso de linguagem neutra

A Aliança Nacional LGBTI+ e a Associação Brasileira de Famílias Homotransafetivas apresentaram ao Supremo Tribunal Federal um conjunto de 18 processos contra leis municipais e uma lei estadual que proibiram