Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

“Bárbara, a mulher forte republicana”

Filomeno Moraes é cientista político

“Bárbara foi uma mulher do seu tempo e do depois do seu tempo”, aponta o cientista político Filomeno Gomes. Confira:

Que sonhos tão loucos, tão loucos, tão loucos/Tão loucos foi Bárbara sonhar (Ednardo, “Passeio Público”)

Conta-se que o naturalista Arruda Câmara, nas suas andanças pelos sertões, praias e serranias nordestinas, pesquisando plantas e incutindo o fermento da insubordinação contra a colonização e a monarquia, na vila do Crato, considerou que a sua anfitriã, quando se estabelecesse a república, seria proclamada “heroína”.  Depois, na sua carta-testamento dirigida ao padre João Ribeiro, acentuou: “Sou dos agricultores que não colherei os frutos do meu trabalho, mas a semente […]. D. Bárbara do Crato devem olhá-la como heroína”. De fato, a história oral e parte da história oficial assim a consideraram, antes que, pela Lei nº 13.056, de 2014, o nome de Bárbara de Alencar fosse inscrito no Livro dos Heróis da Pátria, depositado no Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, em Brasília.

Nascida em Exu, no Estado de Pernambuco, em 1860, Bárbara passou, ainda na adolescência, a viver com a sua família na então Vila do Crato. Em 1782, casou-se com um comerciante português e foi mãe de João, Carlos, Joaquina, Tristão e José Martiniano. Faleceu em 1832, em território piauiense, para onde fugira em virtude da perseguição política decorrente da sedição de Pinto Madeira. Os seus restos mortais estão enterrados em capela no Distrito de Itaguá, no atual município cearense de Campos Sales.

Dois dos seus filhos, Tristão e José Martiniano foram figuras-chave nos movimentos que, de 1817 a 1824, tendo o epicentro em Pernambuco, fizeram do Ceará um ativo participante no movimento pela constitucionalização do pais. A quadra, extremamente movimentada, foi marcada por intenso processo eleitoral, inclusive, para as duas assembleias constituintes, a reunida em Lisboa a partir de 1821, e a outra, a realmente brasileira, inaugurada no Rio de Janeiro em maio de 1823 e dissolvida militarmente seis meses depois.

Não se pode olvidar o tributo em forma de perda de familiares, amigos e seguidores, de confisco de bens, de supressão da liberdade, de traição, humilhação e sofrimento imenso que a vida infligiu à matriarca Bárbara. Senão, veja-se tão-somente no que lhe diz respeito pessoalmente e à sua família mais estreita: a própria Bárbara, presa entre 1817 e 1820; os filhos Tristão e o padre José Carlos, presos em 1817 e assassinados em 1824; o irmão Leonel Pereira de Alencar e o sobrinho Raimundo Pereira de Alencar, assassinados em 1824 na Vila de Jardim; o filho José Martiniano, preso em 1817 e 1824.

Bárbara foi uma mulher do seu tempo e do depois do seu tempo. Matriarca, latifundiária, possuidora de escravos, profundamente religiosa, de um lado. De outro, a Bárbara republicana até o martírio, espargindo dignidade a ponto de recusar os favores da tirania. Cumpre anotar que, antes mesmo que o subdiácono José Martiniano Pereira de Alencar proclamasse a adesão da Vila do Crato às veleidades republicanas de 1817, merece destaque o envolvimento já de vários anos de Bárbara de Alencar com as ideias republicanas. Envolvimento oriundo tanto do trato com os filhos oriundos do Seminário de Olinda e com intelectuais e clérigos liberais como Arruda Câmara, quanto da convivência com pessoas em que aflorava o sentimento nativista, no Crato e em outras localidades dos Cariris Novos.

Por tudo, pode-se dizer que Bárbara de Alencar foi aquela mulher a quem a Escritura se referia: “A mulher forte quem a encontrará? É como um tesouro que vem de longe, dos últimos confins da terra”.   No  caso, foi a mulher cujos sonhos “tão loucos, tão loucos, tão loucos” lançaram sementes férteis de liberdade e república. Destarte, na oportunidade em que se comemoram os duzentos anos da Confederação do Equador,  o nome, o exemplo e a ação política  de Bárbara de Alencar não deixa de ser um farol para que se complete a Independência, até hoje deficitária.

Filomeno Moraes é cientista político e Doutor em Direito (USP). Livre-Docente em Ciência Política (UECE). Estágio pós-doutoral pela Universidade de Valência (Espanha). Publicou os livros “Estado, constituição e instituições políticas: aproximações a propósito da reforma política brasileira” (Belo Horizonte: Arraes Editores, 2021) e “A ‘outra’ Independência a partir do Ceará: apontamentos para a história do nascente constitucionalismo brasileiro” (Fortaleza: Edições UFC, 2022), e o e-book “Crônica do processo político-constitucional brasileiro (2018-2022).” (Fortaleza: Edições Inesp, 2022).

COMPARTILHE:
Mais Notícias
Copom interrompe cortes e mantém juros básicos em 10,5% ao ano

Copom interrompe cortes e mantém juros básicos em 10,5% ao ano

A alta recente do dólar e o aumento das incertezas econômicas fizeram o Banco Central (BC) interromper o corte de juros iniciado há quase um ano. Por unanimidade, o Comitê

Após imposição do PL, Gomes de Matos deixa partido para apoiar Sarto

Após imposição do PL, Gomes de Matos deixa partido para apoiar Sarto

O ex-deputado federal Raimundo Gomes de Matos se desfiliou do Partido Liberal (PL), nesta quarta-feira (19), após imposição do PL para que o ex-parlamentar deixasse a direção da Fundação da

39% x 28% – Fortaleza tem favoritismo em sites de apostas diante do Grêmio

39% x 28% – Fortaleza tem favoritismo em sites de apostas diante do Grêmio

Na contramão das últimas apresentações do Fortaleza, quando a equipe soma três derrotas seguidas, sendo a última de forma humilhante, na goleada por 5 a 0 pelo Cuiabá, sites de

Comissão do Senado aprova texto da reforma do ensino médio

Comissão do Senado aprova texto da reforma do ensino médio

A Comissão de Educação e Cultura do Senado aprovou, em votação simbólica, o parecer favorável da relatora Dorinha Seabra (União-TO) ao projeto de lei que prevê uma nova reforma do

“José Martiniano de Alencar: filho de Bárbara, revolucionário e estadista”

“José Martiniano de Alencar: filho de Bárbara, revolucionário e estadista”

"José Martiniano de Alencar, preso por cerca de um ano em decorrência da participação na Confederação do Equador, foi absolvido, enquanto o sangue dos mártires (padre Mororó, Pessoa Anta, Ibiapina,

Prazo para pagar taxa de inscrição do Enem termina nesta quarta-feira

Prazo para pagar taxa de inscrição do Enem termina nesta quarta-feira

O prazo de pagamento da taxa de inscrição para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2024 termina nesta quarta-feira (19). O valor de R$ 85 pode ser pago de