Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

“Breve reflexão sobre Lei Penal”

Reginaldo Vasconcelos é advogado, jornalista e escritor

“Se uma lei nova entende que determinada conduta não é mais considerada crime, quem estiver respondendo por ela será imediatamente absolvido, e libertado, se estiver cumprindo pena”, aponta o advogado, jornalista e escritor Reginaldo Vasconcelos. Confira:

Estão promulgando uma lei que acaba com a saidinha temporária de apenados, que o Lula vetou, e o Congresso derrubou o veto.

Acontece que a OAB e a Defensoria Pública estão provocando o Supremo Tribunal para declarar a lei inconstitucional, com base na defesa da dignidade humana que preconiza a Lei Maior.

Há gente defendendo que ainda que o Supremo a considere constitucional, ela só vá atingir os futuros criminosos apenados, sob o argumento de que a lei penal não retroage para prejudicar o réu.

Recorrem ao preceito jurídico latino _tempus regit actum_ (aplica-se a lei vigente na data do início do processo), e no conceito de direito adquirido.

Acontece que a norma penal, ou civil, pode ser substantiva ou adjetiva.

A legislação criminal substantiva é aquela do Código Penal, que tipifica as condutas proibidas ao cidadão, e determina a pena cominada a cada crime ali previsto.

A legislação adjetiva é aquela outra, do Código Processual Penal, que orienta o procedimento do ente estatal processante que vai aplicar aquilo que a legislação substantiva instruiu.

De fato, em sede de Direito Penal, a lei só retroage para beneficiar o réu.

Assim, se uma lei nova entende que determinada conduta não é mais considerada crime, quem estiver respondendo por ela será imediatamente absolvido, e libertado, se estiver cumprindo pena.

Mas se uma lei nova ampliar a pena prevista para determinado crime, quem já estiver respondendo por ele, não terá a sua pena majorada.

Porém, no Direito Processual a lei nova tem aplicabilidade imediata, e passa a ser observada, inclusive, nos processos em curso.

A saidinha não se constitui em direito adquirido pelo preso, embora possa ser uma expectativa de direito, pois não se considera que ao cometer o delito a pessoa adquira direito a saidinha, nem a sentença penal promete isso.

E a Constituição instrui que o preso não pode ter tratamento desumano — tortura física, trabalho forçado, fome ou sede, provação de banho de sol ou omissão de socorro médico.

Mas ela não garante privilégios nem confortos extras aos apenados, pois a função da pena é segregar o criminoso para proteger a sociedade, puni-lo pelo crime cometido e exemplar os futuros criminosos em potencial, para inibir a conduta criminosa.

A reabilitação é uma vaga presunção que realmente não se efetiva, no caso dos sociopatas, que são a grande maioria carcerária.

A Lei das Execuções Penais tem índole processual, portanto é norma adjetiva, a orientar a conduta procedimental do ente processante.

A Lei das Execuções Penais não se dirige ao cidadão que delinquiu, mas ao juiz que deve fazer cumprir a punição a ele cominada.

Sendo assim, a nova lei das saidinhas não poderia retroceder para, por exemplo _ad absurdum,_ acrescentar à pena do preso o tempo que ele já aproveitou no benefício agora extinto — mas ela passa a vigorar imediatamente, para os que ainda não o gozaram.

Aqui vale de forma reversa o brocardo _tempus regit actum_ — pois o tempo a ser considerado neste caso é o do ato da edição da nova lei procedimental.

Absurdo imaginar que a lei procedimental passe a vigorar hoje, mas só vá ser aplicada daqui a uma década, apenas para aqueles que venham a delinquir e a serem condenados.

Dei essas explicações ao jornalista Alexandre Garcia, que as apreciou e disse que vai utilizá-las. Ele sempre cita os meus pareceres em suas colunas, físicas e digitais, atribuindo-os a “um amigo jurista”.

Reginaldo Vasconcelos é advogado, jornalista e escritor

COMPARTILHE:
Mais Notícias
Jornada Integração da FCDL será encerrada em Juazeiro do Norte

Jornada Integração da FCDL será encerrada em Juazeiro do Norte

Empresários da Região do Cariri vão se reunir, na próxima quinta-feira, em Juazeiro do Norte. O encontro ocorrerá às 18h30, na Faculdade de Medicina Estácio desta cidade. O objetivo, segundo

Aprovada a criação de programa para incentivar doação de sangue, medula e plaqueta

Aprovada a criação de programa para incentivar doação de sangue, medula e plaqueta

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei que cria o Programa Nacional Integrado de Doação de Sangue, Plaquetas e Medula Óssea. O objetivo é aumentar

SENAI realiza o projeto H-TEC em Fortleza e na Região do Cariri

SENAI realiza o projeto H-TEC em Fortleza e na Região do Cariri

O SENAI do Ceará vai iniciar, nesta segunda-feira, as aulas práticas dos cursos de formação na área de energias renováveis do projeto H-TEC, que busca capacitar mão de obra para

Construir de olho em sustentabilidade

Construir de olho em sustentabilidade

O seminário Expoconstruir Nordeste 2024, encerrado na última sexta-feira, no Centro de Eventos, foi avaliado como um dos melhores. Além das rodadas de negócios e feira, contou com palestras que,

“O Elixir da Vida Longa”

“O Elixir da Vida Longa”

Com o título "O Elixir da Vida Longa", eis artigo de Maurício Filizola, empresário e diretor da Confederação Nacional do Comércio (CNC). Uma boa reflexão sobre nosso presente e nosso