Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

“Cid recupera a liberdade. Bolsonaro está cada vez mais distante dela”

Denise Assis é jornalista e mestra em Comunicação pela UFJF

“Tudo indica que Mauro Cid falou mais e entregou novos elementos de provas à Polícia Federal”, aponta a jornalista Denise Assis. Confira:

Para os que acham que há algo no ar além de aviões de carreira, desistam. Não há perspectiva de anistia para Bolsonaro, que andou dizendo ver sua prisão cada vez mais distante. Hoje (03/05), o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a soltura do tenente-coronel do Exército Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), o que poderia soar como indícios de acordão. Mas não é isso o que a sua liberdade quer dizer. Tudo indica que Mauro Cid falou mais e entregou novos elementos de provas à Polícia Federal.

Cid aguarda ser solto no Batalhão da Polícia do Exército, em Brasília, onde se encontra preso desde março deste ano, após prestar depoimento ao Supremo. A delação premiada feita por Cid, continua válida, por decisão de Moraes. “Consideradas as informações prestadas em audiência nesta Suprema Corte, bem como os elementos de prova obtidos a partir da realização de busca e apreensão, não se verifica a existência de qualquer óbice à manutenção do acordo de colaboração premiada nestes autos”, decidiu o ministro.

De acordo com uma fonte ligada ao meio militar, a defesa de Mauro Cid vinha fazendo empenho junto a Moraes desde a sua prisão. A decisão do ministro, no entanto, só ocorreu porque, disse a fonte, conversas correntes em Brasília dão conta de que Cid complementou a delação premiada com dados significativos. Por isso ela não só foi mantida, como ampliada, e pode gerar novas diligências. E, ao contrário do que disse Bolsonaro sobre a perspectiva de uma “anistia”, essa fonte descartou por completo, complementando: “fora de cogitação. Não existe a menor possibilidade, depois de todo esse trabalho do ministro Alexandre de Moraes e de tudo que vimos acompanhando”.

O acordo de colaboração premiada de Cid aponta para fatos no âmbito do inquérito que apura fraudes em certificados de vacinação contra covid-19, e cooperou também com o inquérito sobre o desvio de joias – caso em que também tem como investigado o general Mauro Cesar Cid, pai do tenente-coronel -, e uma tentativa de golpe de Estado que teria sido elaborada no alto escalão do governo Bolsonaro. Os termos da delação já haviam sido confirmados pelo militar durante a audiência na qual ele foi preso.

Tudo caminhava bem até que no dia 21 de março deste ano, o tenente-coronel e ex-ajudante-de-ordem, Mauro Cid, chutou o pau da barraca e, num vídeo para lá de suspeito – há quem diga que ele estivesse falando com uma figura honorável do Exército Brasileiro -, botou a boca no mundo sobre a sua condição. “Quem mais se ferrou fui eu. Ninguém perdeu carreira, ninguém perdeu vida financeira como eu perdi. Todo mundo já era quatro estrelas, estava no topo. O presidente teve pix de milhões, ficou milionário”, desabafou o ex-ajudante de ordens.

O áudio foi vazado pela Revista Veja e divulgado naquela mesma noite. Nele, o tenente-coronel Mauro Cid desabafa com um conhecido (de quem não se ouve a voz) a respeito dos últimos anos de sua vida, em que serviu como ajudante-de-ordem e acabou preso por conta de uma série de crimes cometido pelo chefe, o então presidente. Na função que exercia, participou de todos como cúmplice ou auxiliar.

Àquela altura o cerco se fechava contra Bolsonaro, o próprio Cid e vários assessores e comandantes militares. Foi graças à delação premiada que prestou, que a Polícia Federal pôde construir um alentado relatório e empreender uma série de investigações, que culminou na apreensão do passaporte do ex-presidente e uma operação de busca e apreensão em sua casa de praia, de onde levou celulares e computadores dele e do seu filho, Carlos Bolsonaro.

No áudio gravado por Cid, ele reclamava da abordagem dos policiais e dizia que foi induzido a mentir para validar uma narrativa que já estaria posta. Enquanto gravava o desabafo a investigação policial prosseguia, mediante devassa nos seus celulares, em que foram descobrindo, aos poucos, cada detalhe da trama golpista.

Durante os seis depoimentos que prestou após fechar o acordo de delação premiada, Cid foi confrontado com as descobertas prévias. Vendo-se confrontado com as informações colhidas, se desesperou e assumiu o papel que os bolsonaristas desemprenham como ninguém: o de vítima. Tantas fez que acabou preso novamente. De volta ao Batalhão da Polícia do Exército, parece ter tido calma para refletir que o melhor que tem a fazer é entregar o pouco que faltava. Cid recuperou a liberdade. Quanto a Bolsonaro, está cada vez mais distante dela.

Denise Assis é jornalista, escritora e Mestra em Comunicação pela UFJF. Trabalhou nos principais veículos, tais como: O Globo; Jornal do Brasil; Veja; Isto É e o Dia. Ex-assessora da presidência do BNDES, pesquisadora da Comissão Nacional da Verdade e CEV-Rio

COMPARTILHE:
Mais Notícias
Deputada é cassada por pagar tratamento estético com dinheiro público

Deputada é cassada por pagar tratamento estético com dinheiro público

O Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP) cassou, por unanimidade, o mandato da deputada federal Silvia Waiãpi (PL-AP) por uso de verba pública de campanha eleitoral para procedimento estético durante

Vozão precisa vencer hoje o Sport para não se afastar do G4

Vozão precisa vencer hoje o Sport para não se afastar do G4

Com quase um terço de temporada, o Ceará precisa vencer o Sport, na noite desta quinta-feira (20), a partir das 21h30min, no Castelão, para não se afastar do G4 da

5 a 3 – Após voto de Toffoli, STF continua sem decisão sobre porte de maconha

5 a 3 – Após voto de Toffoli, STF continua sem decisão sobre porte de maconha

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta quinta-feira (20) para manter a constitucionalidade da Lei de Drogas, norma que definiu penas alternativas a usuários de drogas.

“Tiros numa quinta-feira”

“Tiros numa quinta-feira”

"O presidente chegou, a assembleia incendiou, o dólar subiu, o cantor sertanejo faleceu, destaques sim mas, a chacina de 7 jovens não choca", aponta o jornalista Paulo Nóbrega. Confira: ​Causa

Alece passará a ter sessões remotas, diante da destruição do plenário

Alece passará a ter sessões remotas, diante da destruição do plenário

O presidente da Assembleia Legislativa do Ceará (Alece), Evandro Leitão, anunciou na tarde desta quinta-feira (20), por meio das redes sociais, que o Legislativo do Estado passará a adotar sessões

Lula anuncia R$ 778 milhões em investimentos em instituições federais do Ceará

Lula anuncia R$ 778 milhões em investimentos em instituições federais do Ceará

O presidente Lula anunciou nesta quinta-feira (20), em visita ao Ceará, o investimento de R$ 778 milhões para expansão e consolidação de instituições federais de ensino e da saúde no