Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

CNJ conclui: “Não há evidências de que fim de ‘saidinha’ reduza criminalidade”

Sede do Conselho Nacional de Justiça, em Brasília. Foto: Divulgação

O Conselho Nacional de Justiça concluiu que o fim das saídas temporárias de presos para evitar o aumento da criminalidade não “encontra amparo em evidências”. Essa constatação é de um relatório no qual o CNJ avaliou a Lei 14.836/2024, que restringiu a saídas temporárias de presos. Em maio deste ano, o Congresso derrubou o veto parcial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e manteve a proibição do benefício.

Antes da nova lei, presos que estavam no regime semiaberto, que já tinham cumprido um sexto do total da pena e com bom comportamento, poderiam deixar o presídio por cinco dias para visitar a família em feriados, estudar fora ou participar de atividades de ressocialização.

Com a rejeição do veto pelos parlamentares, os detentos ficam impedidos de deixar as prisões em feriados e datas comemorativas, como Natal e Dia das Mães.

Sem efeitos

Na avaliação do CNJ, apenas 4% dos presos não retornam às penitenciárias, fato que não traz “qualquer consequência negativa à segurança pública”.

“A redução das oportunidades de reconstrução e fortalecimento das relações familiares e comunitárias de pessoas em cumprimento de pena vai de encontro ao objetivo desproporcionar condições para a harmônica integração social do condenado e acaba por fazer aumentar a pressão dentro dos estabelecimentos prisionais, incrementando a deterioração de um sistema que opera em modo de violação estrutural de direitos fundamentais”, avalia o conselho.

O CNJ também acrescentou que a realização de exames criminológicos para concessão da progressão de pena, conforme está previsto na norma, vai gerar custos de R$ 6 bilhões para a administração pública e triplicar o déficit de vagas nos presídios.

“O prolongamento do tempo de encarceramento a decorrer dos inevitáveis atrasos nas futuras progressões de regime diante da nova exigência aponta que, em 12 meses, 283 mil pessoas deixarão de progredir regularmente, o que irá acarretar um custo anual e adicional de R$ 6 bilhões de reais para os cofres públicos”, concluiu o CNJ.

Em maio, o ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal, reconheceu que o fim das saídas temporárias não pode retroagir para alcançar detentos que tinham direito ao benefício. O ministro ressaltou que a Constituição prevê que a lei penal não pode retroagir, exceto para beneficiar o réu.

(Agência Brasil)

COMPARTILHE:
Mais Notícias
Edital do MEC diz como será o primeiro Enade das Licenciaturas

Edital do MEC diz como será o primeiro Enade das Licenciaturas

O Ministério da Educação (MEC) oficializou procedimentos, regras e cronograma do primeiro Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade). Ele é voltado à avaliação dos cursos de formação docente. Chamado

“Mulheres em situação de rua usam sujeira para se proteger do estupro e violência”

“Mulheres em situação de rua usam sujeira para se proteger do estupro e violência”

Com o título "Mulheres em situação de rua usam sujeira para se proteger do estupro e da violência", eis artigo de Haroldo Barbosa, jornalista. "A violência contra mulheres atinge todas

Fortaleza receberá o espetáculo “Elis, o Musical”

Fortaleza receberá o espetáculo “Elis, o Musical”

o espetáculo ‘Elis, A Musical’ poderá ser visto no período de 13 a 15 de setembro deste ano, no Cineteatro São Luiz. Desde a estreia, em 2013, o musical alcançou

Estudo vê chance de recuperação de meio milhão de hectares de caatinga

Estudo vê chance de recuperação de meio milhão de hectares de caatinga

Um levantamento feito pela fundação holandesa IDH, com apoio do instituto de pesquisa WRI Brasil, mostra que há, pelo menos, meio milhão de hectares de caatinga com potencial de restauração.

Eduardo Girão pode ter uma mulher na vice

Eduardo Girão pode ter uma mulher na vice

O pré-candidato a prefeito de Fortaleza pelo Novo, senador Eduardo Girão, confirma para 3 de agosto, a partir das 9 horas, no Hotel Mareiro, na Avenida Beira, a convenção que