Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Divórcio poderá resultar em pensão para a parte mais pobre

A Comissão de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família da Câmara dos Deputados aprovou em novembro o projeto de lei que inclui no Código Civil a possibilidade de o juiz fixar pensão para compensar queda econômica no padrão de vida após divórcio ou fim de união estável.

Esse tipo de pensão é definida no texto como “alimentos compensatórios” e se difere da pensão alimentícia já prevista hoje na lei, que tem a finalidade de garantir o sustento daquele que não consegue fazê-lo pelos próprios meios. Já os “alimentos compensatórios” têm natureza indenizatória e tem a finalidade de reparar a perda do poder aquisitivo com o fim da vida em comum.

O texto aprovado é o substitutivo do relator, deputado Pastor Henrique Vieira (Psol-RJ), ao Projeto de Lei 48/23, do deputado Marangoni (União-SP). O relator lembra que a compensação financeira a um dos cônjuges tem sido reconhecida pelos tribunais de Justiça, mas falta previsão legal para ela no ordenamento jurídico.

“A dedicação à família e à criação dos filhos não raro requer que um dos cônjuges ou companheiros – em geral, a mulher – abra mão de oportunidades profissionais ou adie projetos pessoais, o que dificulta a posterior inserção no mercado de trabalho ou o exercício de atividades econômicas em geral”, disse o relator.

Ao contrário do que ocorre com a pensão alimentícia, no entanto, a proposta estabelece que não será decretada a prisão do devedor de alimentos compensatórios.

Critérios
Vieira incluiu no texto alguns critérios para orientar o juiz na fixação da pensão. Segundo o substitutivo, o juiz deverá levar em conta:

  • a duração da sociedade conjugal ou da união estável;
  • a situação patrimonial dos cônjuges ou companheiros ao início e ao fim do casamento ou da união estável;
  • a idade e o estado de saúde de ambos;
  • a qualificação e situação profissional, especialmente as possibilidades de exercício de trabalho, pelo cônjuge ou companheiro que solicita a pensão;
  • as consequências das escolhas profissionais feitas durante a vida em comum para a educação dos filhos ou para favorecer a carreira profissional de um dos cônjuges ou companheiros em detrimento da do outro;
  • a posse exclusiva do bem comum por um dos cônjuges ou companheiros, antes da partilha.

Ainda conforme a proposta, o juiz deverá fixar prazo de duração da pensão, que poderá também ser alterada ao longo do tempo.

Tramitação
O projeto será analisado agora pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois, seguirá para o Plenário.

(Agência Câmara de Notícias)

COMPARTILHE:
Mais Notícias
Praia de Iracema é tema de documentário do escritor Raymundo Netto

Praia de Iracema é tema de documentário do escritor Raymundo Netto

https://www.youtube.com/shorts/tsi9Tm1xEDw?feature=share Tudo pronto para o lançamento do documentário "Praia de Iracema - uma história de amores". O trabalho leva a assinatura do escritor Raymundo Netto. O lançamento ocorrerá no próximo

“O resgate do jornalismo”

“O resgate do jornalismo”

"Foi preciso mais que gastar sola de sapato para fazer a matéria. Foi, literalmente, botar o pé na lama, afundar na água até a cintura, navegar em embarcações pouco seguras,

Lewandowski propõe incluir Sistema Único de Segurança na Constituição

Lewandowski propõe incluir Sistema Único de Segurança na Constituição

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, defendeu nesta segunda-feira (20) a inclusão do Sistema Único de Segurança Pública (Susp) na Constituição. “Para promovermos uma integração, para fazermos

Momento ainda não é de discussão, mas PSD quer vice na majoritária de Fortaleza, avisa Domingos Neto

Momento ainda não é de discussão, mas PSD quer vice na majoritária de Fortaleza, avisa Domingos Neto

"Acho que esse não é o momento ainda de se discutir, vai chegar o momento. Todos os partidos que fazem parte da aliança têm suas legitimidades e o PSD também

“Uma entidade de ressonância nacional”, diz ministro do STJ sobre Academia Cearense de Direito

“Uma entidade de ressonância nacional”, diz ministro do STJ sobre Academia Cearense de Direito

O ministro Antonio Carlos Ferreira, do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Tribunal Superior Eleitoral, destacou o papel da Academia Cearense de Direito (ACD), em encontro com o advogado

“Boçalidade capataz”

“Boçalidade capataz”

Com o título "Boçalidade capataz", eis artigo de Alexandre Aragão de Albuquerque, mestre em Políticas Públicas e Sociedade (Uece) e especialista em Democracia Participativa e Movimentos Sociais (UFMG). Ele aborda