Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

“Falando da vida…”

Cynthia Rebelo é pedagoga e contista

“Não tinha um ritual, minha avó ou as pessoas mais velhas, não chamavam a gente pra sentar e ensinar, aprendíamos observando e ouvindo o que os mais velhos iam fazendo e falando”, aponta a pedagoga e contadora de histórias Cynthia Rabelo. Confira:

Tive o prazer de ter vivido, até o começo da adolescência, numa família numerosa. Depois, por conta do trabalho do meu pai, que era transferido a cada dois anos, o convívio ficou “reduzido”.

Éramos apenas, pai, mãe, meu irmão e eu. Com isso, as experiências e os aprendizados também foram reduzidos. Lembro de quando vivia perto de nossos familiares, principalmente a família materna, não raro tinha um parente ou trabalhador da casa ou da roça com algum problema de saúde. Minha avó ou outra pessoa com mais experiência cuidava com “remédios caseiros”, já que morávamos no interior do Amazonas e nem sempre tinha médico na cidade.

Outras vezes, minha avó já dizia que não era doença pra médico, que levasse pra benzer e fizesse chá “disso ou daquilo.” Era assim que aprendíamos sobre remédios e cuidados, que hoje penso, misturavam intuição com conhecimento tradicional e ancestral. Não tinha um ritual, minha avó ou as pessoas mais velhas, não chamavam a gente pra sentar e ensinar, aprendíamos observando e ouvindo o que os mais velhos iam fazendo e falando. Essa era a forma de passar conhecimento e melhorar nossa sensibilidade para ler o mundo.

Quando “ganhamos o mundo” a maioria dessas práticas se perdeu. Pra mim, sobrou a lembrança do uso do mastruz como vermífugo e de chá de alho com limão e mel para curar gripes e resfriados.

Mas perdemos bem mais. Somos atormentados pelo estilo de vida que o capitalismo nos impõe. Não somos bons em conversar sobre momentos tristes. É preciso sempre estarmos alegres, afinal, a vida é uma festa. Ou nisso querem que acreditemos. Posso até concordar, mas não posso esquecer que nas festas existem as pausas, e quando digo de minha infância rodeada de aprendizado sobre “remédios caseiros,” estou falando de pausas entre risos e danças. E ao escrever sobre meu passado, surgem algumas perguntas: Quais ensinamentos estou deixando para minhas filhas, já que muitas vezes eu mesma me pego negando meus momentos de pausa? Como ensinar sobre ler as entrelinhas do cotidiano? E a vida, o que é mesmo? Tantas dúvidas… e uma certeza: precisamos nos reconectar à nossa ancestralidade, aos saberes que não foram industrializados e colocados a serviço do lucro. Precisamos lembrar que somos parte da natureza e não algo alheio a ela. Precisamos falar sobre a vida. E sobre a morte.

Cynthia Rabelo é pedagoga, contadora de histórias e, atualmente, mora em São Luís (MA)

COMPARTILHE:
Mais Notícias
“Não aprendi dizer adeus” – Leandro e Leonardo

“Não aprendi dizer adeus” – Leandro e Leonardo

https://www.youtube.com/watch?v=iwxeWtdTGyQ Homenagem do Blogdoeliomar ao cantor e compositor goiano Luiz José Costa, o Leandro, que neste domingo deixa 26 anos de saudade.

Floresta interrompe arrancada e pode voltar à zona de rebaixamento no complemento da rodada da Série C

Floresta interrompe arrancada e pode voltar à zona de rebaixamento no complemento da rodada da Série C

Após duas rodadas com vitórias, o Floresta voltou a ser derrotado pela Série C do Campeonato Brasileiro, na noite deste sábado (22), quando foi superado pelo Tombense, por 3 a

TJCE tem Câmaras de Direito Público e parte criminal avaliadas como “excelente” pelo CNJ

TJCE tem Câmaras de Direito Público e parte criminal avaliadas como “excelente” pelo CNJ

“Muito me orgulho deste Tribunal. Vivi várias fases dele, estamos conscientes e tranquilos que ele vem melhorando ano após ano. Nós continuamos à disposição, abertos a críticas e sugestões, que

Loterias Online da Caixa têm instabilidade em dia da Quina de São João

Loterias Online da Caixa têm instabilidade em dia da Quina de São João

Os sistemas de apostas online das loterias da Caixa Econômica Federal apresentaram instabilidade na manhã deste sábado (22), com a indisponibilidade para apostas em diversas modalidades, entre elas a Quina

“O terror das facções armadas no Ceará”

“O terror das facções armadas no Ceará”

"Facções armadas espalham medo e violência, revelando falhas na segurança pública e necessidade de ação urgente no Ceará", aponta o ex-superintendente da Polícia Civil do Ceará, César Wagner. Confira: O

Salmito prega união das pessoas com espírito público contra crime organizado no Ceará

Salmito prega união das pessoas com espírito público contra crime organizado no Ceará

O deputado estadual e sociólogo Salmito utilizou as redes sociais neste sábado (22) para sugerir a união das pessoas com espírito público para o combate ao crime organizado no Ceará.