Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Juros da Selic devem fechar 2024 em 10%, estima o BC

Situação econômica do setor de serviços melhorou. Foto: Ilustrativo

O mercado financeiro elevou pela terceira vez seguida a previsão para a taxa básica de juros, a Selic, para este ano. Segundo o boletim Focus, divulgado hoje (20), em Brasília, pelo Banco Central (BC), a Selic deve fechar em 2024 em 10%. Atualmente, ela está em 10,5%. A projeção da semana passada era de que a Selic terminasse o ano em 9,75%. Há quatro semanas a previsão do mercado era que o índice ficasse em 9,5%.

O boletim Focus traz as previsões de economistas e analistas de mercado financeiro consultados pelo BC. Para 2025, analistas também projetaram que a Selic feche em 9% – a mesma estimativa para 2026 e 2027.

O boletim registra, ainda, uma elevação na previsão de inflação para este ano de 3,8%. Na semana passada, a estimativa era de que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) terminasse 2024 em 3,76. Há quatro semanas a expetativa era de que o IPCA ficasse em 3,73%.

A estimativa para 2024 está dentro do intervalo de meta de inflação que deve ser perseguida pelo Banco Central. Definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), a meta é de 3% com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 1,5% e o superior 4,5%.

Para 2025, a previsão é de que a inflação fique em 3,74% e, em 2026, feche em 3,5%, a mesma para 2027.

Expansão da economia

Os analistas também projetaram queda no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em relação ao anunciado na semana passada, quando a estimativa era de que expansão ficasse em 2,09%.

Nova projeção é de que o crescimento da economia seja de 2,05%. A projeção para 2025 é de que a expansão fique em 2%, a mesma para 2026 e 2027.

Em relação ao câmbio, o Boletim Focus também registra aumento no valor do dólar. Em 2024, a moeda norte-americana deve fechar o ano em R$ 5,04. Há quatro semanas, a previsão era de que ficasse em R$ 5.

Para 2025, a estimativa também é de aumento para o dólar, fechando em R$ 5,05. Para 2026, a previsão é de que fique em R$ 5,10, a mesma para 2027.

(Agência Brasil)

COMPARTILHE:
Mais Notícias
Empregado mantido em ociosidade forçada tem de ser indenizado, decide TST

Empregado mantido em ociosidade forçada tem de ser indenizado, decide TST

Por entender que a empresa atentou contra a integridade psíquica do trabalhador, a 3ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou uma indústria de automóveis de São Bernardo do Campo

“Transporte público gratuito: para além de uma intenção, um compromisso com o caucaiense”

“Transporte público gratuito: para além de uma intenção, um compromisso com o caucaiense”

"O acesso de graça ao transporte público está na minha pauta prioritária", aponta o empresário e pré-candidato a prefeito de Caucaia, Naumi Amorim. Confira: Desde que me propus a tornar

Biografia de Chico Buarque será lançada no Cantinho do Frango

Biografia de Chico Buarque será lançada no Cantinho do Frango

Na próxima terça-feira, o Cantinho do Frango celebrará o aniversário de Chico Buarque com lançamento de livro e show. Às 19 horas, o jornalista, crítico musical e escritor carioca Tom

NE fecha primeiro trimestre em 1º do País no índice atividade econômica

NE fecha primeiro trimestre em 1º do País no índice atividade econômica

A economia nordestina, medida pelo índice de atividade IBCR-NE do Banco Central do Brasil (Bacen), avançou 3,2% no 1º trimestre de 2024, em comparação com o mesmo período do ano

Cagece suspende abastecimento de água em Fortaleza e Caucaia na quinta-feira

Cagece suspende abastecimento de água em Fortaleza e Caucaia na quinta-feira

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) vai suspender, nesta quinta-feira (13), a partir das 6 horas, o abastecimetno de água em Fortaleza e Caucaia (RMF). Isso, porque

Enchentes afetam saúde mental de moradores da capital gaúcha

Enchentes afetam saúde mental de moradores da capital gaúcha

A população de Porto Alegre com renda familiar inferior a R$ 1,5 mil sofre mais com ansiedade, depressão e síndrome de burnout do que as pessoas com renda familiar maior