Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Justiça condena Estado em caso de cuidador que abusou de adolescentes em casa abrigo

Questão de Justiça em discussão. Foto: Arquivo

A Justiça do Ceará condenou o Estado, após ação do Ministério Público Estadual, à indenização por danos morais coletivos, por culpa e omissão no caso de um cuidador que praticou abuso sexual e atos libidinosos contra adolescentes no interior de um abrigo da gestão estadual. A sentença, segundo a assessoria de imprensa do MPCE, é “inédita no Estado” e foi deferida após a 188ª Promotoria de Justiça de Fortaleza, através do promotor de Justiça Dairton Costa de Oliveira, ajuizar Ação Civil Pública em 19 de fevereiro de 2023 junto a 3ª Vara da Infância e Juventude da Comarca de Fortaleza. O Estado, que não garantiu a proteção das vítimas no caso concreto, foi condenado ao pagamento de R$ 30 mil de indenização.

Consta nos autos que o servidor envolvido nos abusos teria sido nomeado por indicação política para ser cuidador de crianças e adolescentes em uma Unidade de Acolhimento Institucional administrada pelo Governo do Estado. De acordo com a ACP, o homem se aproveitou da condição e autoridade recebidas e passou a abusar sexualmente de adolescentes acolhidas no local. A nomeação data de outubro de 2019 e não foi fruto de concurso público. Segundo a investigação, o réu não recebeu capacitação ou vigilância sobre seus atos até ser desligado após a descoberta dos abusos. Além de manter conjunção carnal com as adolescentes no ambiente do acolhimento, o homem compartilhou fotos íntimas das vítimas, além de praticar atos libidinosos diversos da conjunção carnal com outras crianças também acolhidas. Ao saber que fora denunciado, o servidor teria abandonado o serviço e, na sequência, teria sido desligado formalmente.

No entendimento do MP, os prejuízos morais coletivos produzidos nas crianças e adolescentes vulneráveis são presumidos, mas também concretos, no que se refere à perda de confiança no Estado, na Justiça e na capacidade do Estado de proteger crianças e adolescentes acolhidas institucionalmente. Entre os prejuízos causados às vítimas estão problemas psicológicos e psíquicos que ofendem diretamente não só as adolescentes abusadas, mas toda a coletividade. Isso porque é dever de todos, principalmente do Estado, prevenir toda violação de direitos contra crianças e adolescentes, em especial aquelas sem proteção familiar e sob proteção direta do Estado.

Nesse sentido, a Justiça Estadual considerou as peculiaridades do caso concreto, reconhecendo a culpa “in vigilando” do ente federado, bem como a gravidade e dimensão coletiva do dano para condenar o Estado ao pagamento de R$ 30.000,00 de indenização por danos morais à sociedade cearense. O valor deve ser depositado no Fundo de Proteção aos Direitos de Crianças e Adolescentes.

(Com site do MPCE)

COMPARTILHE:
Mais Notícias
“Anavantú a cantores de fora e Anarriê para artistas locais no São João de Fortaleza”

“Anavantú a cantores de fora e Anarriê para artistas locais no São João de Fortaleza”

"Que a programação seja ampliada, com a inclusão de artistas que dedicam sua vida a essa temática", aponta o músico e sindicalista Amaudson Ximenes. Confira: A programação recentemente anunciada do

Vozão poderá sentir hoje o “gostinho” do G4, após 44 partidas pela Série B

Vozão poderá sentir hoje o “gostinho” do G4, após 44 partidas pela Série B

Desde a última temporada, além de cinco rodadas neste ano, que o Vozão ainda não conseguiu sentir o "gostinho" de entrar no G4 da Série B do Campeonato Brasileiro, quando

Cai helicóptero que transportava presidente do Irã

Cai helicóptero que transportava presidente do Irã

O helicóptero que transportava o presidente do Irã, Ebrahim Raisi, 63, e o ministro Hossein Amir-Abdollahian, das Relações Exteriores, caiu neste domingo (19), quando sobrevoava as montanhas do Azerbaidjão. Segundo

“Ninguém me ensinou sobre finais”

“Ninguém me ensinou sobre finais”

"Me tornei mãe, agora eu que recebo as cartinhas e músicas", aponta a pedagoga Cynthia Rabelo. Confira: Mês de maio sempre foi um mês que me deixava feliz. Seja por

Associações LGBT questionam no STF leis que proíbem uso de linguagem neutra

Associações LGBT questionam no STF leis que proíbem uso de linguagem neutra

A Aliança Nacional LGBTI+ e a Associação Brasileira de Famílias Homotransafetivas apresentaram ao Supremo Tribunal Federal um conjunto de 18 processos contra leis municipais e uma lei estadual que proibiram