Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

“O silêncio de Deus”

Leonardo Boff é teólogo e escritor

“Vivemos num mundo trágico. Poderemos não ter mais retorno ou, forçados pela situação, recuperaremos a razão sensível e sensata?”, aponta o filósofo e escritor Leonardo Boff. Confira:

Vivemos globalmente num mundo trágico, cheio de incertezas, de ameaças e de perguntas para as quais não temos respostas que nos satisfaçam. Ninguém nos poderá dizer para onde estamos indo: para o prolongamento do atual modo de habitar a Terra, devastando-a em nome de um maior enriquecimento de poucos. Ou mudaremos de rumo?

No primeiro caso, seguramente a Terra não aguentará a voracidade dos consumistas (já agora precisamos de uma Terra e meia para atender o nível atual de consumo dos países ricos) e nos confrontaremos com crises e mais crise, como o coronavírus e o aquecimento global já irrefreável (lançamos na atmosfera por ano 40 bilhões de toneladas de gazes de efeito estufa). Poderemos não ter mais retorno e iremos ao encontro do pior.

Ou, forçados pela situação, recuperaremos a razão sensível e sensata, pois agora está enlouquecida, definimos um novo rumo mais amigável para com a natureza e a Terra, mais justo e participativo de todos os humanos. Trabalharemos a partir do território, desenhado pela natureza, pois ai pode ser sustentável e criar uma verdadeira participação de todos. Então começará um novo tipo de história com um futuro para o sistema-vida e o sistema-Terra.

Teremos tempo, coragem e sabedoria para esta conversão ecológica? O ser humano é flexível, tem mudado muito e se adaptado aos vários climas. Ademais a história não é linear. De repente surge o inesperado e o impensável (um salto para cima em nossa consciência) que inaugurariam um novo rumo para a história.

Enquanto esperamos, sofremos pelos males que estão ocorrendo na Terra: há 17 lugares de guerra. O Papa Francisco falou muitas vezes que estamos já na terceira guerra mundial aos pedaços. Não é impossível que irrompa um conflito nuclear inteiro e leve a perder toda a humanidade.

Neste contexto nos colocamos no lugar de Jó e clamamos a Deus no meio de tantas mortes de inocentes, de genocídios e de guerras altamente letais.

“Deus, onde estavas naqueles momentos aterradores em que a fúria genocida de Benjamin Netanyahu dizimou 13 mil crianças inocentes e mais de 80 mil pessoas e mães na Faixa de Gaza? Por que não intervistes, se podias fazê-lo? Mais de 500 mil casas, hospitais escolas, universidades, mesquitas e igrejas foram arrasadas. Por que não detiveste aquele abraço assassino? Teu Filho bem-amado, Jesus, saciou cerca de 5 mil pessoas famintas. Por que permites que centenas e centenas morram de sede e de fome?

Onde está a tua piedade? Estas vítimas não são também teus filhos e filhas, especialmente queridos, porque representam teu Filho crucificado.

Recordo com dor as palavras do Papa Bento XVI quando visitou o campo de extermínio de judeus em Auschwitz-Birkenau: “Quantas perguntas surgem neste lugar. Onde estava Deus naqueles dias? Por que Ele silenciou? Como pôde tolerar esse excesso de destruição, este triunfo do mal?”.

Jó tinha razão em reconhecer que”Deus é grande demais para que possamos conhecê-lo” ( 36, 26). Ele pode ser e fazer aquilo que não entendemos, pois somos limitados. Não obstante teimosamente Jó professa sua fé, dizendo a Deus: “Mesmo que me mates, ainda assim creio em ti” ( 15,13)?

Inesquecível é o testemunho do judeu antes de ser exterminado no Gueto de Varsóvia em 1943. Deixou escrito num papelzinho posto dentro de uma garrafa: “Creio no Deus de Israel, mesmo que Ele tenha feito tudo para que não creia nEle. Escondeu seu rosto…Se, um dia, alguém a encontrar esse papelzinho e o lerá, vai entender, talvez, o sentimento de um judeu que morreu abandonado por Deus, esse Deus em quem continuo a crer firmemente”.

Não pretendemos ser juízes de Deus. Mas podemos como o filho do homem no Jardim das Oliveiras e no alto da cruz. Jesus, quase desesperado, clamou: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste (Marcos 15, 34)?

Nossos lamentos não são blasfêmias, mas um grito doloroso e insistente a Deus: “Desperta! Não tolere mais o sofrimento, o desespero e o genocídio de inocentes. Acorda, vem libertar aqueles que criastes no amor. Acorda e venha, Senhor, para salvar-los.

No meio desta melancolia, nossa esperança prevalece, porque pela ressurreição de um irmão nosso, Jesus de Nazaré, se antecipou nosso fim bom. É isso que nos confere algum sentido e de não desesperar face à dramática situação da humanidade e da Terra.

Leonardo Boff é ecoteólogo, filósofo e escritor. É autor da obra “Ecologia: grito da Terra, grito dos pobres”

COMPARTILHE:
Mais Notícias
SENAI realiza o projeto H-TEC em Fortleza e na Região do Cariri

SENAI realiza o projeto H-TEC em Fortleza e na Região do Cariri

O SENAI do Ceará vai iniciar, nesta segunda-feira, as aulas práticas dos cursos de formação na área de energias renováveis do projeto H-TEC, que busca capacitar mão de obra para

Construir de olho em sustentabilidade

Construir de olho em sustentabilidade

O seminário Expoconstruir Nordeste 2024, encerrado na última sexta-feira, no Centro de Eventos, foi avaliado como um dos melhores. Além das rodadas de negócios e feira, contou com palestras que,

“O Elixir da Vida Longa”

“O Elixir da Vida Longa”

Com o título "O Elixir da Vida Longa", eis artigo de Maurício Filizola, empresário e diretor da Confederação Nacional do Comércio (CNC). Uma boa reflexão sobre nosso presente e nosso

Centro Dragão do Mar encerra hoje prazo para convocatória de ocupação artística

Centro Dragão do Mar encerra hoje prazo para convocatória de ocupação artística

Terminal hoje as inscrições para a terceira edição do Cena Ocupa, convocatória de ocupação artística dos espaços do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Serão selecionadas até 70

Aposta de R$ 2,50 ganha R$ 76,6 milhões na Quina de São João

Aposta de R$ 2,50 ganha R$ 76,6 milhões na Quina de São João

Com uma probabilidade de uma chance em 24 milhões de tentativas, uma aposta realizada no município de Viamão, na Região Metropolitana de Porto Alegre, levou R$ 76,6 milhões na Quina