Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

“Puxando um cordão”

Chico Buarque no comício das "Diretas Já", na Praça da Sé, em 25/1/1984, que reuniu 1,5 milhão de pessoas. Foto: Antônio Carlos Piccino

Em artigo sobre o resgate da luta pela democracia, o juiz, professor e escritor Mantovanni Colares destaca a contribuição da consciência política nas letras de Chico Buarque. Confira:

As novas gerações precisam saber que “o povo na rua de blusa amarela” ocorreu nos anos de 1983 e 1984, numa gigantesca campanha popular na qual se lutava pelo direito ao voto direto para eleger nossos representantes. Sim, houve um tempo em que não se votava para presidente da República. O amarelo se tornou a cor-símbolo do movimento DIRETAS JÁ. A camisa amarela, vestimenta de quem prezava pela democracia. Daí a canção “Pelas Tabelas”, que inaugura o disco de 1984 (CHICO BUARQUE, conhecido como VAI PASSAR, álbum em seu aniversário de 40 anos neste 2024).

“Pelas Tabelas”, consta no Dicionário Houaiss, é um brasileirismo, ou seja, expressão própria do português do Brasil. “Cair pelas tabelas” significa não se aguentar mais de pé, sentir-se fraco, fatigado. Eis o sentido da canção: o contraste entre o voto indireto (prestes a cair, “pelas tabelas”) e o direto (a nascer). Jogar por tabela é fazer algo indiretamente, daí a ligação do voto indireto com o título da música. Lembrando que também se fala “jogar por tabela”, no linguajar do futebol, quando há troca de bola entre jogadores de maneira rápida e curta. Mais uma costura semântica com as palavras, pois Chico Buarque se vale do cenário de um estádio lotado, no sonho-delírio do eu lírico apavorado com a possibilidade de o povo assumir o poder. A cabeça dele andava “pelas tabelas”, em breve estaria “rolando no Maracanã” (construção de imagem do ditador com seu poder cortado, a cabeça…), numa figura maravilhosa da junção entre o popular (futebol) e o político.

Mais uma vez, como é de costume em suas letras, percebemos detalhes escondidos em labirintos ao longo da canção. A música faz referência indireta à conhecida passagem histórica da decapitação de São João Batista por Herodes, a pedido de Salomé, após seduzir a todos com sua dança e exigir a cabeça de João numa bandeja (baixela), episódio que revela o “mito da paixão mortífera”, do desejo mórbido de Salomé pelo Profeta Batista. O ditador, na canção, se sente o próprio profeta que antevê seu fim, com sua cabeça numa baixela…

Há enigmas na cantiga, só mesmo Chico Buarque a nos revelar (mas certamente não irá fazê-lo, isso é ótimo, pois deixa seu público livre para interpretar sua obra). “Oito horas e danço de blusa amarela” significa o quê? Para mim, a referência é ao horário de então do Jornal Nacional, da TV Globo, naquela época o noticiário mais visto no país, que iniciava pontualmente às oito horas da noite, por ali se via o que ocorreu durante o dia, inclusive o movimento das DIRETAS JÁ. Era um mundo sem internet ou redes sociais.

Outro mistério: quem seria “ela”, tantas vezes referida na canção? Penso ser a democracia, ou a eleição direta, basta substituir a palavra e faz todo o sentido. O ditador tem pesadelos por saber que ela (democracia ou eleição direta) está chegando, puxando um cordão, ou seja, a multidão em festa. Cordão é palavra própria do carnaval, um cortejo ou grupo carnavalesco. Câmara Cascudo resgata o termo ao lembrar que os cordões eram mascarados que formavam um grupo a dança no carnaval, vestidos de palhaços, índios, reis, rainhas, baianas etc.

Chico Buarque falou durante sua turnê mais recente (“Que tal um samba? – 2022/2023), que adora essa música, mas infelizmente não podia mais cantá-la, por conta do desvirtuamento da cor amarela, apropriada por setores do fanatismo da extrema-direita.

A blusa amarela é do povo, voltou a ser do povo. Neste 8 de janeiro, impossível não lembrar o marco de um ano do terrível “Dia da Infâmia”, no qual a democracia brasileira estremeceu, mas se manteve firme, graças a mulheres e homens comprometidos com nosso país; a verdadeira gente patriota, dentre elas a da categoria da qual sinto orgulho em fazer parte: a magistratura. O Poder Judiciário, juízas e juízes, notadamente do Supremo Tribunal Federal, decisivo na garantia do Estado Democrático de Direito.

Adoraríamos, Chico, vê-lo entoar novamente “Pelas Tabelas”; para que dancemos de blusa amarela, puxando um cordão.

Mantovanni Colares é juiz, professor, escritor e ainda é considerado por muitos um “chicólatra” ou “chicólogo”

COMPARTILHE:
Mais Notícias
“Boogie do Bebê” – Tony Campello

“Boogie do Bebê” – Tony Campello

Homenagem do Blog ao cantor paulista Tony Campello, que neste sábado completa 88 anos.

Mulheres são maioria dos candidatos no concurso unificado

Mulheres são maioria dos candidatos no concurso unificado

Dos mais de 2,1 milhões de candidatos com inscrições confirmadas no Concurso Público Nacional Unificado, 56% são do sexo feminino, o equivalente a 1,2 milhão de pessoas. O dado faz

TJCE inicia na segunda-feira novo sistema que julga crimes de subtração de aparelhos celulares

TJCE inicia na segunda-feira novo sistema que julga crimes de subtração de aparelhos celulares

Como forma de processar e julgar todos os procedimentos criminais relacionados à subtração de aparelhos celulares, o Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) inicia na segunda-feira (26) as atividades do

Sport é punido com portões fechados na Copa do Nordeste e Copa do Brasil

Sport é punido com portões fechados na Copa do Nordeste e Copa do Brasil

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu na tarde desta sexta-feira (23 ) que o Sport passará a jogar de portões fechados, quando da condição de mandante na Copa

Senado debate na segunda vacina obrigatória contra covid em crianças

Senado debate na segunda vacina obrigatória contra covid em crianças

Plenário do Senado debaterá, na próxima na segunda-feira (26), às 9 horas, a obrigatoriedade da aplicação da vacina contra a covid-19 em crianças de 6 meses a 5 anos a

Fiec entrega Medalha do Mérito Industrial no dia 9 de maio

Fiec entrega Medalha do Mérito Industrial no dia 9 de maio

No próximo dia 9 de maio, a Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC) realizará a celebração anual do Dia da Indústria, marcada pela entrega da Medalha do Mérito