Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

“Quando a vida de um menino negro vale R$ 315 por mês”

Moisés Mendes é jornalista e escritor

“Mãe de trabalhador morto por agentes do Estado vai receber uma indenização que deveria ser jogada na cara da Justiça”, aponta o jornalista e escritor Moisés Mendes. Confira:

A Justiça brasileira é ruim também nas contas quando o personagem de uma decisão dos seus magistrados é pobre, negro ou vítima da ditadura. Os jornais noticiam que a 7ª Câmara de Direito Público da Justiça do Rio condenou o Estado a pagar indenização de R$ 200 mil à família de Andreu Luiz Silva Carvalho.

Andreu foi assassinado aos 17 anos na noite do réveillon de 2008, no centro de triagem e recepção do Degase, órgão do governo fluminense que aplica medidas judiciais impostas a menores infratores.

O adolescente havia sido abordado por policiais na saída da praia do Arpoador, sob a acusação de roubar o celular de um turista. Levado para o centro de triagem, foi torturado até a morte por seis agentes.

Andreu foi preso e massacrado dias depois de conseguir um emprego de garçom. Um rapaz preso depois do assassinato confessou o crime que era atribuído a ele.

Andreu era negro. A ação foi movida pela mãe do menino, Deize Silva Carvalho, que no ano passado se formou em Direito. Deize é negra.

Ela busca uma reparação na Justiça, além da condenação de seis agentes acusados pelo crime. Até agora, só o que ganhou foi o direito à indenização, 16 anos depois. Dezesseis anos.

Uma mãe é indenizada com R$ 200 mil pelo assassinato do filho de 17 anos dentro de uma instituição do Estado. E os assassinos continuam impunes.

Se o filho tivesse uma expectativa de vida de 70 anos, teria valido, pela matemática da Justiça, algo como R$ 315 por mês. Metade do valor médio pago pelo governo através do Auxílio Brasil.

Um menino morto aos 17 anos vale R$ 200 mil, enquanto qualquer fascista sonegador de impostos e contrabandista cobra na Justiça, sob o pretexto de danos morais, quantias semelhantes ou superiores. E muitos vencem.

R$ 200 mil depositados na conta de uma mãe que sabe que na maioria das vezes os assassinos de negros e pobres não são punidos. Leiam o que ela disse quando se formou:

“Pretendo atuar como advogada com mães vítimas de violência. Muitas mães não têm como pagar um advogado e muitas vezes um defensor público não dá atenção à família porque são inúmeros casos. O meu objetivo como advogada é dar assistência jurídica a essas mães para que elas possam sonhar e acreditar que a justiça vai acontecer”.

Lembremos que R$ 200 mil é mais ou menos o valor padrão a ser pago pelo Estado (nunca se sabe se pagam mesmo), por decisões judiciais na área cível, a familiares de presos políticos caçados, presos, torturados e mortos pela ditadura.

O bom seria que os familiares dos assassinados pelos ditadores e a advogada Deize Silva Carvalho pudessem esfregar os R$ 200 mil na cara da Justiça. Até porque a Justiça, essa que aparece com os olhos vendados, no Brasil não consegue esconder a cara e as garras.

(Essa semana, a Comissão de Anistia, vinculada ao Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, reconheceu que a publicitária e cientista social Clarice Herzog, viúva do jornalista Vladimir Herzog, assassinado pela ditadura em 1975, agora é anistiada política e por isso tem direito a uma indenização de R$ 100 mil. Clarice foi perseguida pelos militares que torturaram e mataram seu marido. Deize e Clarice poderiam sentar e conversar sobre liberdades, lutas, memórias, perdas, saudade e indenizações).

Moisés Mendes é jornalista, autor de “Todos querem ser Mujica” (Editora Diadorim). Foi editor especial e colunista de Zero hora, de Porto Alegre

COMPARTILHE:
Mais Notícias
Cai helicóptero que transportava presidente do Irã

Cai helicóptero que transportava presidente do Irã

O helicóptero que transportava o presidente do Irã, Ebrahim Raisi, 63, e o ministro Hossein Amir-Abdollahian, das Relações Exteriores, caiu neste domingo (19), quando sobrevoava as montanhas do Azerbaidjão. Segundo

“Ninguém me ensinou sobre finais”

“Ninguém me ensinou sobre finais”

"Me tornei mãe, agora eu que recebo as cartinhas e músicas", aponta a pedagoga Cynthia Rabelo. Confira: Mês de maio sempre foi um mês que me deixava feliz. Seja por

Associações LGBT questionam no STF leis que proíbem uso de linguagem neutra

Associações LGBT questionam no STF leis que proíbem uso de linguagem neutra

A Aliança Nacional LGBTI+ e a Associação Brasileira de Famílias Homotransafetivas apresentaram ao Supremo Tribunal Federal um conjunto de 18 processos contra leis municipais e uma lei estadual que proibiram

Neutralidade de José Airton em Icapuí potencializa pré-candidatura de Ilanna em Pentecoste

Neutralidade de José Airton em Icapuí potencializa pré-candidatura de Ilanna em Pentecoste

Com parentesco a pré-candidatos à Prefeitura de Icapuí,  o deputado federal José Airton Cirilo anunciou neste fim de semana a neutralidade de apoio no município do Litoral leste do Ceará.

Jornalista cearense lança livro de crônicas do mandato de Bolsonaro

Jornalista cearense lança livro de crônicas do mandato de Bolsonaro

Crônicas de um mandato sob ataques. Esse é o tema do livro "Fora Bolsonaro", do jornalista Luciano Cléver, com lançamento pela Amazon.in, que traz crônicas sobre o mandato do ex-presidente