Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Subi a serra pra tomar café – por Mirelle Costa

Subi a serra para provar o café do maciço de Baturité, mais especificamente em Guaramiranga. O sítio Águas Finas recebe visitantes diariamente para um passeio histórico cultural com visita ao cafezal para conhecer as plantações de café Arábica, como catuaí vermelho, catucaí amarelo e o Typica, além da oportunidade de acompanhar a secagem e a torra.

A experiência no sitio Aguas Finas costuma durar uma hora com direito à degustação de café e visita ao cafezal // Foto: Juliao Junior
A experiência no sitio Aguas Finas costuma durar uma hora com direito à degustação de café e visita ao cafezal – Foto: Juliao Junior

O café é um pequeno fruto redondo, que nasce de uma pequena árvore, um pouco maior que uma pessoa. Em Guaramiranga, existe o privilégio da possibilidade de conhecer várias floradas e acredite: A floresta interfere no sabor do café por causa do solo.

Esse pezinho bem carregado é do catuaí vermelho, um tipo de café do tipo Arábica. // Foto: Juliao Junior
Esse pezinho bem carregado é do catuaí vermelho, um tipo de café do tipo Arábica. Foto: Juliao Junior

A colheita de café no sítio é de maio a agosto e precisa ser feita de forma separada, não podendo haver mistura de colheita de tipos de plantações. A adubação é natural. A florada do café é uma das etapas mais importantes dos cafezais. A separação dos grãos é toda manual, com peneiras.

Esse é um pezinho de Typica, um outro tipo de café Arábica, bem resistente äs pragas // Foto: Juliao Junior
Esse é um pezinho de Typica, um outro tipo de café Arábica, bem resistente äs pragas. Foto: Juliao Junior

A Iris Araújo foi responsável por nos guiar nessa jornada. Ela explica que, da flor até o grão maduro, precisamos de nove meses, uma gestação. O café demora cerca de trinta dias para secar. “Um cafeeiro dura de quinze a vinte anos. Todos os anos fazemos novas mudas e replantamos no cafezal. Para fazermos uma boa muda, é preciso escolhermos as melhores sementes. Depois que o café germina, o que dura uns dois meses, no máximo, ele ainda tem um tempo de berçário pra, somente depois, ir pro chão. É o que a gente chama transplante. A primeira safra só aparece depois de três anos, mas, a partir daí, a floração será anual” explica Iris Araújo, responsável por receber os visitantes no sítio Águas Finas.

Eu e Iris Araújo. Foto Juliao Junior
Eu e Iris Araújo. Foto Juliao Junior

PROVEI O (FRUTO DO) CAFÉ PELA PRIMEIRA VEZ

Fruto do Café
Provei a fruta bem madurinha, que estava pronta para a colheita. É nessa etapa que o café está bem vermelhinho, na forma conhecida como “cereja”. Você morde, despreza a casca e fica só com o gostinho adocicado da polpa. A semente você despreza também. Surpreendente!

ATENÇÃO, PARA O CAFÉ, NÃO VALE A REGRA DO VINHO

Para o café, a regra é: quanto mais novo, melhor. Fique atento! Não guarde por muito tempo aquele café especial que você comprou para consumir apenas em ocasiões especiais, ele pode oxidar depois de aberto.
E detalhe: nada de geladeira. O café, depois de aberto, deve ser guardado em temperatura ambiente.

CAFÉ PREMIADO

Os cafés produzidos no sítio Águas Finas possuem notas de oitenta a noventa, considerados, portanto, cafés especiais. Já houve safra premiada por aqui.

Café produzido no sítio Águas Finas

CAFÉ PREMIADO

COMPARTILHE:
Mais Notícias
As Traças, os livros e o tempo – por Mirelle Costa

As Traças, os livros e o tempo – por Mirelle Costa

Resistir é verbo de ação. Conheci o Clube de Leitura As Traças, que existe há trinta anos, em Fortaleza. Cheguei em dia de celebração, na festa das três décadas. Além de cheiro de livro, senti um cheiro de vida pulsante, em movimento.

Que livro você indicaria para o dia dos namorados?! – por Mirelle Costa

Que livro você indicaria para o dia dos namorados?! – por Mirelle Costa

Cafezim com Literatura - Edição Especial Pedimos uma ajudinha aos amantes da literatura. Confira! O Coletivo de leitura Leituras paralelas Indica "Desculpe o exagero, mas não sei sentir pouco" Resumo

Café Colonial em Guaramiranga – por Mirelle Costa

Café Colonial em Guaramiranga – por Mirelle Costa

Comida boa e preço justo em um ambiente instagramável. Eu sempre busco tudo isso junto. Tudo o que é artesanal tem a minha preferência. Gosto de provar nossos sabores e

A cafeteria virou o terceiro lugar de muita gente – por Mirelle Costa

A cafeteria virou o terceiro lugar de muita gente – por Mirelle Costa

Debaixo de chuva, protegida com uma sombrinha, a pé e com o livro embaixo do braço: Assim encontrei Lara Pontes, socióloga, que tem a confeitaria La Dulce Vita como um

Subi a serra pra tomar café – por Mirelle Costa

Subi a serra pra tomar café – por Mirelle Costa

Subi a serra para provar o café do maciço de Baturité, mais especificamente em Guaramiranga. O sítio Águas Finas recebe visitantes diariamente para um passeio histórico cultural com visita ao

Educação e Meio Ambiente são temas principais da biografia do professor Artur Bruno – por Mirelle Costa

Educação e Meio Ambiente são temas principais da biografia do professor Artur Bruno – por Mirelle Costa

Escrever sobre quem admiramos é um gesto, acima de tudo, muito generoso. A professora Najila Cabral dedicou três anos a eternizar a história de um professor e pesquisador que, certamente,