Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

“A educação sem padrinho forte”

Professor João Teles. Foto: Reprodução

“O setor de produção de bens é a favor da existência da escola. Somente para formar mão de obra ou para aquietar os meninos”, aponta o professor e historiador João Teles. Confira:

Em 2015, perguntaram a Idevaldo Bodião, experimentado mestre da Educação do Ceará: – A educação formal, ministrada na maioria das escolas, já não funciona mais?

E ele respondeu: – Esta é uma crítica recorrente, mas… antes de mais nada: não funciona para quem? Será que a escola não está mesmo dando certo?

Ora, é essa escola “que não dá certo” que educa as crianças da periferia, filhas dos trabalhadores, dando a elas a rumo da vida, apesar de todas as dificuldades. Mas quem está cuidando da escola ou se importando com o seu futuro? Quem paga a conta dela e paga com gosto? Eis a questão.

Bodião continua: – O sistema produtivo não precisa de uma educação para todos. No entanto, para evitar o esgarçamento social, é importante que todos estejam na escola, o maior tempo possível, em uma escola não de formação integral, mas de tempo integral. Duvido que você consiga encontre uma fala institucional, que seja contra a educação. Todos são a favor da educação.

Sim, são a favor; o setor de produção de bens é a favor da existência da escola. Somente para formar mão de obra ou para aquietar os meninos, em salas de aula? O buraco é mais embaixo. Não se quer somente a escola, como ela é e está. A sociedade quer mais.

Bodião dá o rumo da prosa: – A questão é: educação de qualidade, e não apenas a escolarização. É onde começamos a perder a convergência. A educação que a sociedade considera boa, custa muito caro. Não é R$ 100 ou R$ 200, por mês. Este é o valor que a maioria dos gestores da rede pública dispõe por mês, por aluno.

Como ter uma boa escola, uma escola de boa qualidade, custando isso? Pode uma escola se manter durante todo o ano, com migalhas, com tão pouco? O professor Bodião nos ajuda, no debate: – Assim, se pensarmos na perspectiva de construir um mundo mais justo e igualitário, a escola de hoje, realmente, não funciona, a começar pelo próprio financiamento. A escola, assim, em todos os sentidos, continua perpetuando as desigualdades sociais (…).

As desigualdades perpetuadas, assistidas, diga-se, sem que se faça uma intervenção justa e necessária. Se a escola não tem nem uma boa merenda, como vai ter computador, aulas de informática, de teatro, de música, se lhe falta o basicão?

Tratada como a prima pobre, fica difícil. A elite paga sua escola (privada) e está satisfeita com ela. Quem vai bancar a que cuida dos menos favorecidos, dos desgraçados sociais? Não creio!

João Teles é professor e historiador

COMPARTILHE:

Respostas de 6

  1. Boas falas, Prof. João Teles! E ainda tem, como agravante, a questão da desestruturação familiar que não permite o devido acompanhamento, pelos pais ou responsáveis, da educação dos filhos. A família, também, desassistida pelas políticas públicas. Torna-se um círculo vicioso.

  2. Com certeza, prof. Luiz Carlos Silva. Família. O calcanhar de Aquiles!

  3. A escola faz de conta que ensina
    O aluno que evolui e aprende
    O educador que luta não entende
    E assim vai se repetindo a sina
    Do descaso com menina e menina
    Falta verba, boa merenda, professor
    Falta comprometimento e amor
    Só não falta quem fale que vai bem
    Que na escola tudo é bom e tudo tem
    Que me venha com inverdades Senhor

  4. Excelente reflexão baseada na fala de Bodião. Trata-se de um sistema vigente há décadas que não será solucionado enquanto não houver o interesse dos responsáveis.

Mais Notícias
Floresta quer repetir feito do Iguatu no Rei Pelé, diante do CSA, e deixar zona de rebaixamento na Série C

Floresta quer repetir feito do Iguatu no Rei Pelé, diante do CSA, e deixar zona de rebaixamento na Série C

Após um desastroso início de temporada na Série C do Campeonato Brasileiro, quando não conseguiu vencer nas nove primeiras rodadas e amargou o vexame de um 5 a 0, em

“Mais um policial morto… e daí?”

“Mais um policial morto… e daí?”

"Hoje tenho plena convicção que estava errado quando achava que policial era herói. Apesar do altruísmo das nossas ações, não temos o reconhecimento da maioria da população", aponta o coronel

Ceará tem 65% da frota de veículos acima de 10 anos em circulação

Ceará tem 65% da frota de veículos acima de 10 anos em circulação

Cerca de 2,5 milhões de veículos automotores circulam no Ceará, há mais de 10 anos. A quantidade representa cerca de 65% da frota no Estado, segundo levantamento do Departamento Estadual

Ministra das Mulheres acompanha caso de aborto legal negado pela Justiça em Goiás

Ministra das Mulheres acompanha caso de aborto legal negado pela Justiça em Goiás

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, disse nesse sábado (13), em uma rede social, que a pasta acompanha o caso da desembargadora e da juíza que negaram o aborto legal

Marqueteiro de Milei vê potencial de direita em Fortaleza e chega para campanha de André Fernandes

Marqueteiro de Milei vê potencial de direita em Fortaleza e chega para campanha de André Fernandes

O pré-candidato a prefeito de Fortaleza, André Fernandes, acertou nesse sábado (13) a parceria com o marqueteiro Pablo Nobel, que estará à frente da campanha do PL ao Paço Municipal, assim que Fernandes tiver sua candidatura homologada na convenção partidária.

Ministério recomenda atenção para casos de febre Oropouche no país

Ministério recomenda atenção para casos de febre Oropouche no país

Uma recomendação aos estados e os municípios para que intensifiquem a vigilância em saúde para a possibilidade de transmissão vertical do vírus Oropouche foi emitida nesta semana pelo Ministério da Saúde