Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

“Dicotomia ou unificação da Polícia?”

Irapuan Aguiar, advogado e professor. Foto: Arquivo Pessoal

“Os equívocos de diagnóstico e avaliação do setor respondem pelo fracasso das reformulações procedidas”, aponta o advogado Irapuan Diniz de Aguiar, em artigo sobre as polícias. Confira:

O Brasil transformou-se nos últimos anos num verdadeiro laboratório de experiências na construção de um novo modelo de segurança pública. Aqui e ali, algumas iniciativas governamentais apresentam resultados, se bem que muito aquém do que seria minimamente desejável pela população. Os equívocos de diagnóstico e avaliação do setor respondem pelo fracasso das reformulações procedidas, com algumas ilhas de eficiência, ainda assim, resultantes do idealismo e resistência de alguns poucos profissionais que não se deixam cair na desesperança. Dos inúmeros congressos já realizados para debater a questão da violência e criminalidade, a reformulação da estrutura da segurança pública sempre consta da pauta das discussões. As conclusões, no entanto, são sempre no sentido de propor a unificação das polícias, a integração de suas atividades ou suas subordinações ao Ministério Público que passaria a dirigir a investigação criminal.

Uma simples leitura dessas indicações, contudo, é suficiente para constatar suas inadequações à atual realidade das polícias, porquanto não alcançam a raiz dos verdadeiros problemas. Ora, é inviável unificar-se uma organização militar com outra civil e vice-versa. Entre as funções civis e militares há diferenças profundas e radicais de essência, substância e natureza. Impossível seria, por conseguinte, agrupar, fundir ou condensar num estatuto único regimes jurídicos que a diversidade de objeto impõe. Quanto à integração, é consenso de que deve ser estimulada quando do curso formação dos policiais – civis e militares – numa mesma Academia como hoje já ocorre no Ceará. Os frutos, porém, dos vínculos de amizade construídos nessa fase, só serão colhidos numa outra geração de profissionais. Não se promove integração por decreto nem é dado desconhecer dos óbices insuperáveis no atual cenário, onde a disputa do espaço de poder por policiais das duas corporações é visível. Daí, os pífios resultados até agora obtidos.

No que diz respeito à direção da investigação criminal pelo Ministério Público é ela desaconselhável, seja porque seus membros não foram preparados para tal mister, seja para preservar sua atuação como domini litis, seja, enfim, pelo acúmulo de atribuições de que já é detentor, alargadas com os novos encargos que lhe conferiu a CF/88. Frente a tais fatos advogo, hoje, a tese do reencontro da Polícia Civil com suas origens, assumindo, por inteiro, a face jurídica de sua atuação. O exercício da atribuição de polícia judiciária, antes concedida apenas aos delegados de polícia, por delegação do Código de Processo Penal, passou a ser, com a vigência da CF/88, de toda a organização policial civil. Assim, o ideal seria a instituição compor a estrutura do Poder Judiciário, desvinculando-se do Poder Executivo. Com a medida, os profissionais da polícia judiciária desenvolveriam suas atividades como membros de outro Poder, distantes das pressões político-partidárias. O Executivo, por seu turno, passaria a dispor de uma só polícia – ostensivo-preventiva -, no caso a Polícia Militar,responsável pela manutenção da ordem e segurança pública. Com a implementação da providência, desapareciam os conflitos entre as duas polícias, evitar-se-ia a repetição, no âmbito da Justiça, dos atos praticados no inquérito policial, contribuindo para uma maior celeridade processual, dentre outras vantagens. Nunca é demais lembrar que o exercício da polícia judiciária é uma função de Estado e não de governo.

Irapuan Diniz de Aguiar é advogado

COMPARTILHE:

Uma resposta

Mais Notícias
“Se acaso você chegasse” – Cyro Monteiro

“Se acaso você chegasse” – Cyro Monteiro

https://www.youtube.com/watch?v=6xrMnC4-6_A Homenagem do Blogdoeliomar ao cantor e compositor carioca Cyro Monteiro, que neste sábado deixa 51 anos de saudade.

Trump agradece resposta rápida do Serviço Secreto e promete se manifestar sobre atentado

Trump agradece resposta rápida do Serviço Secreto e promete se manifestar sobre atentado

O candidato a presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu se manifestar sobre o atentado neste sábado (13), durante comício na Pensilvânia. Já o presidente Joe Biden condenou o atentado,

Atirador em comício de Trump teria sido morto, segundo Washington Post

Atirador em comício de Trump teria sido morto, segundo Washington Post

O suposto atirador no comício de Donald Trump, neste sábado (13), na Pensilvânia, teria sido morto por policiais norte-americanos, segundo o Washington Post. O jornal informou ainda que uma pessoa

Comício de Trump é interrompido por barulhos de tiros e candidato é retirado com manchas vermelhas no rosto

Comício de Trump é interrompido por barulhos de tiros e candidato é retirado com manchas vermelhas no rosto

Um comício de Donald Trump, na cidade de Butler, na Pensilvânia, neste sábado (13), foi interrompidos pelo barulho de tiros. O candidato foi cercado e protegido por seguranças e mostrou

Inscrição para concurso da Justiça Eleitoral termina na próxima quinta

Inscrição para concurso da Justiça Eleitoral termina na próxima quinta

As inscrições para o concurso unificado da Justiça Eleitoral terminam na próxima quinta-feira (18), às 18h, no horário oficial de Brasília. Ao todo, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e 26

Atlético Cearense perde para América/RN em jogo de três pênaltis e deixa o G4 na Série D

Atlético Cearense perde para América/RN em jogo de três pênaltis e deixa o G4 na Série D

Em um jogo de três pênaltis, na tarde deste sábado (13), no estádio Domingão, o Atlético Cearense perdeu para o América/RN, por 2 a 1, o deixou o G4 do