Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Onde o povo está: mais de dezesseis mil pessoas na Feira Literária do Ceará – por Mirelle Costa

A terceira edição da Feira Literária do Ceará reuniu mais de dezesseis mil pessoas.
Entre dois de maio e 22 de junho, oficinas, palestras, contações de histórias, exposições de livros, seminários e apresentações culturais aconteceram em Sobral, Icó e Aracati.

(Escritores cearenses na Feira Literária, em Aracati // Maria Haydée e Matheus Brandão)
(Escritores cearenses na Feira Literária, em Aracati // Maria Haydée e Matheus Brandão)

“O sucesso da Feira Literária é uma confirmação de que o caminho pelo qual a Secretaria da Cultura do Ceará tem seguido, investindo na descentralização de suas ações, tem sido um marco importante. O investimento no livro, na leitura e na literatura, realizado por meio dessa ação, envolve Cultura, Patrimônio, Turismo e Desenvolvimento Econômico, numa parceria fértil entre estado e municípios. É um trabalho em rede, integrado e alinhado, que fortalece a cultura, a memória dessas cidades históricas, atendendo a públicos diversos, com ações que vão da fruição à formação, da geração de renda à construção de futuros possíveis, pela leitura e o acesso à cultura”, reforça a secretária da Cultura do Ceará, Gecíola Fonseca.

(Da esquerda para a direita, de blusa branca, a secretária de Turismo e Cultura de Aracati, Andressa Guedes; a primeira dama de Aracati, Glaucia Maia; o prefeito de Aracati, Bismarck Maia; a secretária da Cultura do Ceará, Gecíola Fonseca; o chefe de gabinete da Secult Ceará, Viana Junior e a Coordenadora Geral da Feira Literária do Ceará, Maura Isidório // Fotos: Maria Haydée e Matheus Brandão)
(Da esquerda para a direita, de blusa branca, a secretária de Turismo e Cultura de Aracati, Andressa Guedes; a primeira dama de Aracati, Glaucia Maia; o prefeito de Aracati, Bismarck Maia; a secretária da Cultura do Ceará, Gecíola Fonseca; o chefe de gabinete da Secult Ceará, Viana Junior e a Coordenadora Geral da Feira Literária do Ceará, Maura Isidório // Fotos: Maria Haydée e Matheus Brandão)

“O evento em si foi bastante organizado, desde a saída no ônibus até o retorno. Houve bastante diálogo entre os expositores e os organizadores. O stand era um mimo à parte. A riqueza do evento ficou por conta da diversidade de atrações, programação cultural e obras literárias de autores independentes. Eu senti um verdadeiro desejo de que a feira se tornasse parte da agenda cultural de Aracati, manifestado nos olhos brilhantes, curiosidade e carinho com que a população nos recebeu”, aponta Luciana Braga, escritora, ilustradora e professora que lançou seu livro infantil, Sol, na feira, e participou como expositora de livros e artes junto do coletivo Lamparinas, coletivo de autores de literatura infantil e infanto-juvenil. 

(Da esquerda pra direita: Cláudia Melo, Luíza Pontes, Luciana Braga, Ana Márcia Diógenes, Liduína Vidal e Efigênia Alves (todas integrantes do coletivo Lamparinas) //  Fotos: Maria Haydée e Matheus Brandão)
(Da esquerda pra direita: Cláudia Melo, Luíza Pontes, Luciana Braga, Ana Márcia Diógenes, Liduína Vidal e Efigênia Alves (todas integrantes do coletivo Lamparinas) // Fotos: Maria Haydée e Matheus Brandão)

Para gostar de ler 

Com 20 estandes ocupados em cada cidade e uma média de 35 expositores por feira,  a Feira Literária busca a democratização do acesso ao livro e à leitura, bem como a valorização da produção local e o fomento da economia do livro. O evento movimentou mais de noventa mil reais em vendas em nove dias de realização. A curadoria da Feira ficou por conta de Talles Azigon, que contou com uma dupla curatorial diferente em cada cidade: Mailson Furtado em Sobral, Socorro Pinheiro em Icó e Antero Pereira em Aracati.

Feira Literária do Ceará Feira Literária do Ceará Blog do Eliomar

“A Feira Literária do Ceará apresenta números expressivos e significativos, porém alguns resultados não são visíveis e mensuráveis nesse momento, são os resultados futuros dos encontros, conversas e afetos entre escritores e leitores. Esses encontros proporcionam novos projetos literários, negócios, desafios e possibilidades. Além disso, não se mede a emoção da professora e do pai do estudante Everton Alves de Freitas, um jovem autista que subiu ao palco principal em Icó e fez o lançamento do seu livro, não se mede perceber a felicidade da escritora de 13 anos, Taís Assis, acompanhada por sua família em Aracati, expondo num estande, conversando com as pessoas e lançando o seu livro. Ressaltamos que a Feira mobiliza todos os elos do campo do livro, desde o processo criativo, produtivo e mediador. Também envolvemos as bibliotecas públicas municipais e comunitárias das macrorregiões (Sobral, Icó e Aracati). Congregamos com muito afeto todas essas pessoas para celebrar uma festa literária que possa internalizar a magia e produzir uma nova arte, seja oral ou escrita. Vida longa à Feira Literária do Ceará”, compartilha a coordenadora geral da Feira Literária do Ceará, Maura Isidório.

(A coordenadora geral da Feira Literária do Ceará, Maura Isidório //  Fotos: Maria Haydée e Matheus Brandão)
(A coordenadora geral da Feira Literária do Ceará, Maura Isidório // Fotos: Maria Haydée e Matheus Brandão)


"A Feira Literária de Aracati, a terceira do ciclo de Feiras Literárias do Ceará, consolidou uma inovadora e satisfatória conquista para os escritores e leitores cearenses. A qualidade e a organização do evento, desde a alocação em stands espaçosos e confortáveis ao apoio logístico com hospedagem e alimentação, fizeram com que nos sentíssemos valorizados e acolhidos por uma iniciativa vinda da parceria entre governo estadual e da prefeitura. Com esse suporte, fica bem mais fácil a aproximação entre nós – escritores – e o público leitor, o que possibilita mais cultura, mais entretenimento e mais reflexão sobre as realidades do mundo, por meio da leitura dos livros que disponibilizamos para o público, principalmente o infantil e o juvenil", conta o escritor Well Morais, que participou da feira em Aracati.
“A Feira Literária de Aracati, a terceira do ciclo de Feiras Literárias do Ceará, consolidou uma inovadora e satisfatória conquista para os escritores e leitores cearenses. A qualidade e a organização do evento, desde a alocação em stands espaçosos e confortáveis ao apoio logístico com hospedagem e alimentação, fizeram com que nos sentíssemos valorizados e acolhidos por uma iniciativa vinda da parceria entre governo estadual e da prefeitura. Com esse suporte, fica bem mais fácil a aproximação entre nós – escritores – e o público leitor, o que possibilita mais cultura, mais entretenimento e mais reflexão sobre as realidades do mundo, por meio da leitura dos livros que disponibilizamos para o público, principalmente o infantil e o juvenil”, conta o escritor Well Morais, que participou da feira em Aracati.
(O escritor Well Morais // Fotos: Maria Haydée e Matheus Brandão)
(O escritor Well Morais // Fotos: Maria Haydée e Matheus Brandão)

Ao todo, também foram realizados 107 lançamentos de livros. As Festas Literárias do Ceará são uma realização do Governo do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura, e do Governo Federal, por meio do Ministério da Cultura (MinC), com apoio da Lei Paulo Gustavo. Conta com apoio institucional da Biblioteca Pública do Estado do Ceará (Bece), do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas do Ceará (SEBP/CE), da Prefeitura de Sobral, da Prefeitura de Icó e da Prefeitura de Aracati. Tem parceria com o Serviço Social do Comércio (Sesc) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). A produção é do Instituto Assum Preto.

Como sugestão para as próximas edições, fica o apontamento com relação à acessibilidade dos escritores com deficiência, como também o público leitor com problemas de locomoção.
Outra sugestão que escutei de participantes e expositores é a criação de uma política de ajuda de custo para aquisição de livros (como ocorre nas escolas da prefeitura de Fortaleza durante as Bienais do livro).
Como sugestão para as próximas edições, fica o apontamento com relação à acessibilidade dos escritores com deficiência, como também o público leitor com problemas de locomoção. Outra sugestão que escutei de participantes e expositores é a criação de uma política de ajuda de custo para aquisição de livros (como ocorre nas escolas da prefeitura de Fortaleza durante as Bienais do livro).
COMPARTILHE:

Uma resposta

  1. Parabéns pela matéria completíssima! Estive presente e achei incrível a organização e as oportunidades que as feiras proporcionaram.

Mais Notícias
III Flice vem aí! – por Mirelle Costa

III Flice vem aí! – por Mirelle Costa

III Flice Imagine uma feira literária em que você tem a oportunidade de bater papo com todos os escritores, desfrutar de oficinas gratuitas sobre escrita e ainda ter a chance

Onde o povo está: mais de dezesseis mil pessoas na Feira Literária do Ceará – por Mirelle Costa

Onde o povo está: mais de dezesseis mil pessoas na Feira Literária do Ceará – por Mirelle Costa

A terceira edição da Feira Literária do Ceará reuniu mais de dezesseis mil pessoas.Entre dois de maio e 22 de junho, oficinas, palestras, contações de histórias, exposições de livros, seminários

Cafezim junino com literatura – por Mirelle Costa

Cafezim junino com literatura – por Mirelle Costa

Que livro harmoniza com os quitutes de São João? Amanhã é o dia do santo protetor dos casados, padroeiro dos doentes e que ajuda a abrir os caminhos.  Separa a

As Traças, os livros e o tempo – por Mirelle Costa

As Traças, os livros e o tempo – por Mirelle Costa

Resistir é verbo de ação. Conheci o Clube de Leitura As Traças, que existe há trinta anos, em Fortaleza. Cheguei em dia de celebração, na festa das três décadas. Além de cheiro de livro, senti um cheiro de vida pulsante, em movimento.

Que livro você indicaria para o dia dos namorados?! – por Mirelle Costa

Que livro você indicaria para o dia dos namorados?! – por Mirelle Costa

Cafezim com Literatura - Edição Especial Pedimos uma ajudinha aos amantes da literatura. Confira! O Coletivo de leitura Leituras paralelas Indica "Desculpe o exagero, mas não sei sentir pouco" Resumo

Café Colonial em Guaramiranga – por Mirelle Costa

Café Colonial em Guaramiranga – por Mirelle Costa

Comida boa e preço justo em um ambiente instagramável. Eu sempre busco tudo isso junto. Tudo o que é artesanal tem a minha preferência. Gosto de provar nossos sabores e