Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

“Nada existe fora do texto”…

Paulo Elpídio de Menezes Neto é cientista político, professor e escritor, além de ex-reitor da UFC

“Embora a escrita tenha nascido das necessidades mercantis dos persas e das suas escritas contábeis, gregos e romanos, árabes e germanos, não obrigatoriamente nessa ordem, fizeram do texto um componente ancilar da narrativa histórica e religiosa”, aponta em artigo o cientista político Paulo Elpídio de Menezes Neto, Confira:

Por intuição e prudência, preferi nesta sexta-feira (fatídica , de costume, são as sextas-feiras e os agostos da vida), abandonar as narrativas políticas e ignorar o o resmungar desses roedores que rondam as sobras das nossas esperanças. O nascimento de minha irmã querida nesta quadra abre, contudo, exceção à regra — e aqui celebro o evento.

Quando iniciei as lides precoces de leitor, sob o olhar vigilante de meu avô, aprendi que o texto literário (poderia ser uma ordem-do-dia castrense…) apresenta duas vertentes complementares e esteticamente concorrentes. O estilo e a narrativa.

Embora a escrita tenha nascido das necessidades mercantis dos persas e das suas escritas contábeis, gregos e romanos, árabes e germanos, não obrigatoriamente nessa ordem, fizeram do texto um componente ancilar da narrativa histórica e religiosa. O estilo, tanto quanto as ideias, amoldaram-se na construção da escrita e deram-lhe forma e conteúdo. E significado social.

Sou daqueles tempos quando o autor era considerado e exaltado pelo estilo da sua escrita, da prosa que construía, mas narrativas de registro, na crônica histórica, nas análises humanistas e na correspondência.

Sim, a correspondência, a epistolografia, afirmou-se, desde a Idade Média, provavelmente antes,como gênero literário, que o digam o cardeal de Retz, Voltaire, Espinosa, Anatole France, alguns monarcas distintos, madame de Staël e muitos outros. O estilo e as razões da fé conviveram nos sermões e nos textos bíblicos.

Assim, a vigilância do avô voltava-se para a forma, o estilo, a construção do texto — não para questões miúdas de conceituações morais e religiosas. O que esperar de um velho Paulo Elpidio, desvalido das armaduras da fé, leitor de Voltaire, Nietzsche, Flaubert, Espinosa e Renan?

Preocupava-se, como o fazia o padre Arquimedes Bruno, com as “bolhas de sabão” da literatura menor e tudo fazia para poupar os jovens iniciantes dessas armadilhas. Até mesmo leituras registradas como iconoclastas pelo contestáveis do zelo sobre a moral e da fé eram aceitas no seu permissivo armário de estética literária… Fui um desses agraciados iniciantes.

Esse apreço pelo estilo e a forma da escrita, sem esquecer o conteúdo das ideias e a força da hermenêutica, distinguia no laborioso mister da leitura os “clássicos”, as obras ungidas e referenciadas como padrão e modelo literários.

Os clássicos eram lidos com respeito, muitas vezes em voz alta na sala de jantar, ouvidos e interesses voltados para a narrativa de personagens bem alocados no texto pela voz das suas ricas falas.

George Stein — ando às voltas com alguns textos seus que de tão sugestivos não consigo abandoná-los — insistia que para ele um “clássico”, na literatura, na música, nas artes e nas confrontações filosóficas, era um livro que “nos lia”. E completava: “ele nos lê, mais do que nós o lemos” (GS — Errata—, Gallimard, Paris, 1997), p. 37).

De matriz literariamente respeitada, o “clássico” terminava por tornar-se uma referência inarredável. De tão lido e cultivado, o “clássico” terminaria por criar uma “cultura do comentário”, como a via Steiner sem limites, e daria lugar a uma indústria do livro sobre o livro, do comentário sobre o comentário, da “orelha” sobre “orelhas”…

“Faciendi pluris libros,nullus est finis”, diz o Eclesiastes , livros sobre sobre livros, uma cadeia infinita.

Nada, entretanto, justificaria o viés pós-estruturalista, lembrado por Steiner, do “ il n’est rien en hors du texte”.

A persistência do texto não impõe, entretanto, a conservação inalterada da sua forma original; a sua adaptação a novas formas de expressão assegura, na inelutável corrida temporal, uma nova estética formal da escrita e do texto.

Paulo Elpídio de Menezes Neto é cientista político, professor, escritor e ex-reitor da UFC

COMPARTILHE:
Mais Notícias
Fortaleza receberá o espetáculo “Elis, o Musical”

Fortaleza receberá o espetáculo “Elis, o Musical”

o espetáculo ‘Elis, A Musical’ poderá ser visto no período de 13 a 15 de setembro deste ano, no Cineteatro São Luiz. Desde a estreia, em 2013, o musical alcançou

Estudo vê chance de recuperação de meio milhão de hectares de caatinga

Estudo vê chance de recuperação de meio milhão de hectares de caatinga

Um levantamento feito pela fundação holandesa IDH, com apoio do instituto de pesquisa WRI Brasil, mostra que há, pelo menos, meio milhão de hectares de caatinga com potencial de restauração.

Eduardo Girão pode ter uma mulher na vice

Eduardo Girão pode ter uma mulher na vice

O pré-candidato a prefeito de Fortaleza pelo Novo, senador Eduardo Girão, confirma para 3 de agosto, a partir das 9 horas, no Hotel Mareiro, na Avenida Beira, a convenção que

Pesquisadora brasileira vai presidir sociedade internacional de aids

Pesquisadora brasileira vai presidir sociedade internacional de aids

A infectologista e pesquisadora brasileira Beatriz Grinsztejn será a primeira mulher latino-americana a exercer a presidência da International Aids Society (IAS), organismo internacional que reúne profissionais que trabalham com a

Ex-tucano coordena plano de gestão de Capitão Wagner; convenção será dia 3

Ex-tucano coordena plano de gestão de Capitão Wagner; convenção será dia 3

O pré-candidato a prefeito pelo União Brasil, Capitão Wagner, definiu o ex-deputado estadual Carlos Matos como coordenador do seu plano de governo. Caberá ao ex-parlamentar, que já foi do PSDB,

Mega-Sena sorteia nesta terça-feira prêmio acumulado em R$ 61 milhões

Mega-Sena sorteia nesta terça-feira prêmio acumulado em R$ 61 milhões

As seis dezenas do concurso 2.752 da Mega-Sena serão sorteadas, a partir das 20h (horário de Brasília), no Espaço da Sorte, localizado na Avenida Paulista, nº 750, em São Paulo.