Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Necessidade de Capital de Giro – Como calcular e controlar as suas tomadas – Por Fabiano Mapurunga

Necessidade de Capital de Giro – Como calcular e como controlar as suas tomadas.
Necessidade de Capital de Giro – Como calcular e como controlar as suas tomadas.

Muitas empresas enfrentam uma batalha diária para enfrentar os seus pagamentos, e essa batalha as comprime, muitas vezes, para contrair empréstimos de curto prazo, destinados a apagar seus “incêndios” temporários. Aí começa uma verdadeira bola de neve de dívidas, que podem incorrer na depredação do seu resultado líquido e riscos de insolvência.
A busca pelo crescimento constante do faturamento, sem procurar mensurar sua necessidade de caixa para tal, faz com que muitos empresários acabem por comprometer negativamente o ciclo financeiro das empresas. E uma operação que poderia ser bastante saudável, pode arruinar, por simples falta de cuidado com a sua necessidade de capital de giro.

Necessidade de Capital de Giro – Como calcular e como controlar as suas tomadas.
Necessidade de Capital de Giro – Como calcular e como controlar as suas tomadas.

Vamos fazer quatro perguntas que os ajudarão a descobrir a sua necessidade real de capital de giro:

PRIMEIRA PERGUNTA: Qual o prazo que você oferece a seus clientes?

Quanto maior for a representatividade do seu cliente em seu faturamento, maior é o poder de barganha que ele possui, ou seja, a tendência de ele mesmo estipular o prazo que ele quer pagar é muito grande. Isso pode significar que vc terá um ciclo financeiro bem mais extenso e imprevisível.
Exemplo: Você fornece para uma grande indústria que determinou que só pagará a você no prazo de 60 dias.
Importante procurar ter uma carteira de clientes com pouca ou nenhuma concentração.

SEGUNDA PERGUNTA: Qual o prazo que você tem para pagar seus fornecedores?

A lógica da Primeira Pergunta para esta. Quanto maior for a representatividade do seu fornecedor em seu volume de compras, maior será o poder de barganha que ele possui. Este fornecedor acabará arbitrando o prazo de pagamento, sem muita margem de negociação para sua empresa.
Exemplo: Sua empresa possui 10 fornecedores, sendo que os três maiores exigem pagamento à vista. Os outro 7 exigem pagamento de 50% no pedido e os outros 50% na entrega, que normalmente leva 15 dias após o pedido.
Muito importante procurar tem um leque bem diversificado de fornecedores, para diminuir sua dependência de apenas um ou dois.

TERCEIRA PERGUNTA: Qual o tamanho do seu estoque e como está o seu acompanhamento do giro das mercadorias?

Muito importante controlar o giro do seu estoque, pois ele representa dinheiro parado até a sua saída.
Exemplo: Um estoque que é composto por peças que passam de 6 a 8 meses para serem vendidas, por outras que passam entre 4 e 5 meses.
É importante sempre se estar revisando seu estoque e classificando suas mercadorias, pela sua capacidade de giro (Montar uma Curva ABC), assim você poderá promover algumas ações comerciais para evitar que algumas passem muito tempo paradas.

QUARTA PERGUNTA: Caso a empresa tenha um grande prazo de recebimento, um curto prazo de pagamento e um estoque muito robusto, como ela faz para financiar o seu capital de giro?

O capital de giro é o valor financeiro necessário para manter a sua empresa funcionando. Agora de uma forma mais técnica, podemos dizer que o capital de giro é constituído pela diferença entre o Ativo Circulante (todo o capital que está disponível em caixa, em bancos, em aplicações financeiras e no contas a receber no curto prazo) e o Passivo Circulante (são os compromissos a pagar no curto prazo para fornecedores, contas a pagar e bancos). Vale salientar que se sua empresa possuir um Ativo Circulante maior do que o Passivo Circulante, ela está conseguindo com que sua própria operação financie o seu capital de giro. Do contrário, ou seja, se o seu Passivo Circulante for maior do que o seu Ativo Circulante, ela precisa de uma fonte de recursos que financie seu capital de giro.
A necessidade de capital de giro das empresas está relacionada diretamente ao Ciclo Financeiro das mesmas, ou seja, à velocidade com que o dinheiro gira em sua operação. Quanto mais longo for o ciclo financeiro, maior será a necessidade de capital de giro.

Cálculo do Ciclo Financeiro:
Prazo Médio de Renovação do Estoque (PMRE) + Prazo Médio de Recebimento de Vendas (PMRV) – Prazo Médio de Pagamentos (PMP).

Para se reduzir a necessidade de capital de giro (disponibilidades de curto prazo menos compromissos de curto prazo), é necessário reduzir o ciclo financeiro.

Agora vamos ver algumas dicas de como se pode fazer para reduzir o Ciclo Financeiro:

1 – Reduzir o prazo de recebimento da sua empresa

Essa se constitui como a medida mais difícil a ser tomada, pois ela implica em reduzir o “financiamento” aos seus clientes, por exemplo, reduzindo o prazo de parcelamento das vendas e incentivando que seus clientes paguem à vista. Medida difícil de ser cumprida, principalmente em tempos de crises, onde qualquer redução no prazo de recebimento, pode significar perda de vendas para seus concorrentes. Você pode até não conseguir fazer isso com todos os clientes, ou em todas as vendas, mas tente verificar onde você tem espaço para tal ação.

2 – Reduzir seus níveis de estoque

Procure agora reduzir seu estoque (em caso de indústrias, deverá ser reduzido o ciclo de produção). Em minhas andanças, vejo muitas pequenas e médias empresas acumulando muito estoque para tentar conseguir menores preços com seus fornecedores. Porém esta estratégia, precisa ser devidamente calculada, para se evitar perder o “ganho no preço de compra” em função das despesas financeiras, que serão os juros que irá pagar aos bancos para lhes financiarem ou até mesmo se utilizarem outras fontes de financiamento. Conseguir bons preços com fornecedores é fundamental, mas isso não pode se dar em troca de um estoque maior do que o necessário. Não se deixe levar pelo conto do “pedido mínimo” que é o “preço promocional para uma compra maior do que a sua necessidade” e outras armadilhas do gênero.

3 – Abrir melhores negociações com fornecedores

Busque o aumento de prazo de pagamentos com seus fornecedores. Cuidado com a oferta de “descontos para pagar à vista”, isso só valerá a pena se este for maior do que o custo do capital de giro. Reveja seus prazos: aqueles que você paga com 30 dias passe para 45 dias. Os que você paga com 45 dias, passe para 60 dias e assim sucessivamente. Como sua empresa é a cliente, você acaba tendo um maior poder de barganha. Nenhum fornecedor gosta de perder cliente.
Não deixe de tentar!
Gaste Menos!!! Faça questionamentos sobre a real necessidade de cada despesa. Precisamos entender que o dinheiro tem que ser muito difícil de se gastar.

4 – Engaje todo o seu time com foco na redução do seu Ciclo Financeiro

Faça a regulação do bônus da sua equipe comercial com a necessidade de redução do seu Ciclo Financeiro. Coloque a redução do prazo médio do recebimento de vendas como parte das metas da sua área comercial, já o prazo médio de renovação de estoques deve fazer parte das metas da área industrial (para quem produz), do pessoal de vendas e marketing e o prazo médio de pagamentos faz parte das metas do pessoal de compras. A Tesouraria, deve ter como meta o próprio resultado do ciclo financeiro. Isso vai colocar este último como um regulador mais eficaz sobre as atividades da área comercial, industrial, de compras, etc.

Ter uma atividade proativa no seu Ciclo Financeiro, é o caminho mais fácil de se evitar uma crise de capital de giro. Controlar o caixa, deve ser uma atividade diária, e pode significar a diferença entre uma vida longa e de prosperidade para sua empresa, e a derrocada do seu negócio.

COMPARTILHE:

9 respostas

  1. Tenho acompanhado os temas, e seus desenvolvimentos, desde a 1ª publicação.
    Sempre matérias importantes e de fácil compreenção.

  2. Sou leitor assíduo dos seus artigos! E sempre pego algumas dicas para aplicar em minha atividade

  3. Fabiano, bom dia

    Comecei a leitura dos seus artigos, a clareza e objetividade ao que importa sobre o tema, é o ponto forte. Estou aprendendo e me reciclando. Obrigado e parabéns!!!

  4. Como sempre, excelente artigo, Fabiano!
    Parabéns!!!

  5. Ótimo artigo. Sabemos que é uma busca diária manter a saúde financeira. Essas dicas ajudam muito. Parabéns Fabiano pelo artigo. Obrigado.

Mais Notícias
Você sabe calcular a sua margem de lucro? – Por Fabiano Mapurunga

Você sabe calcular a sua margem de lucro? – Por Fabiano Mapurunga

  É público e notório que, quando constituímos uma empresa, esperamos que ela nos dê lucro, pois além de ela cobrir os seus custos nós precisamos que ela nos remunere

A Governança Corporativa e seus benefícios para sua empresa – por Fabiano Mapurunga

A Governança Corporativa e seus benefícios para sua empresa – por Fabiano Mapurunga

Com o avanço cada vez mais consistentes da profissionalização de empresas que eram puramente familiares, dando origem a modelos que pregam a participação acionária ou por cotas, houve a clara

A Curva de Laffer e a arrecadação de impostos no nosso país – por Fabiano Mapurunga

A Curva de Laffer e a arrecadação de impostos no nosso país – por Fabiano Mapurunga

Somos todos contribuintes contumazes de impostos. Estamos vendo o nosso poder de compra cada vez mais ser corroído pela pesada sequência de aumentos sucessivos de impostos, pois, ao que parece,

Índice Ibovespa B3, o que é e como funciona – Por Fabiano Mapurunga

Índice Ibovespa B3, o que é e como funciona – Por Fabiano Mapurunga

Diariamente os jornais apontam o comportamento do chamado índice Ibovespa B3, mas para boa parte das pessoas, ele ainda é bem desconhecido. Vamos tentar esclarecer esse que é o principal

A tríade PPT (pessoas, processos e tecnologia) – Por Fabiano Mapurunga

A tríade PPT (pessoas, processos e tecnologia) – Por Fabiano Mapurunga

A Importância da Tríade PPT no Melhoramento Contínuo das Empresas Um dos muitos desafios diários que qualquer empresa enfrenta, é a busca pelo melhoramento da sua posição com relação aos

Necessidade de Capital de Giro – Como calcular e controlar as suas tomadas – Por Fabiano Mapurunga

Necessidade de Capital de Giro – Como calcular e controlar as suas tomadas – Por Fabiano Mapurunga

Muitas empresas enfrentam uma batalha diária para enfrentar os seus pagamentos, e essa batalha as comprime, muitas vezes, para contrair empréstimos de curto prazo, destinados a apagar seus “incêndios” temporários.