Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Zagallo, uma trajetória de sucesso

Ele tinha superstiççao com o numero 13. Foto -Instagram oficial de Zagallo.

Confira a trajetória do tetracampeão mundial Mario Jorge Lobo Zagallo, que morreu aos 92 anos, nessa sexta-feira. Ele estava internado desde o final do ano passado e morreu de falência múltipla dos órgãos. A pesquisa é da Agência Brasil.

Zagallo era alagoano de Atalaia, nascido em 8 de agosto de 1931. Antes de completar um ano, mudou-se com a família para o Rio de Janeiro. O talento com a bola nos pés chamou atenção na peneira em que foi aprovado para o time infantil do América-RJ, na Tijuca, bairro da zona norte carioca onde morava. Pelo Mecão, foi campeão carioca de Amadores em 1949, como juvenil, antes de se transferir para o Flamengo.

Antes de brilhar no Rubro-Negro, onde foi tricampeão carioca (1953 a 1955), ele foi recrutado pelo Exército. Em 1950, trabalhando como segurança no Maracanã, viu de perto o uruguaio Alcides Ghiggia silenciar o Maior do Mundo e adiar o sonho do então inédito título mundial brasileiro. História que o então soldado Zagallo ajudaria a mudar anos depois.

A conquista da Taça Oswaldo Cruz (disputada pelas seleções de Brasil e Paraguai) em 1958 foi o começo da trajetória de Zagallo na seleção. Ele vestiu a amarelinha em 36 ocasiões e marcou seis gols. Um na final da Copa do Mundo daquele ano, na vitória por 5 a 2 sobre a anfitriã Suécia, estampando a primeira estrela no peito brasileiro. E o ponta-esquerda deixou clara a importância tática – defensiva e ofensiva – que lhe rendeu o apelido “formiguinha”.

Foi também em 1958 que a passagem de Zagallo pelo Flamengo chegou ao fim, com a mudança para o Botafogo. Foram sete anos na Estrela Solitária, ao lado de Nilton Santos, Didi e Garrincha, com dois títulos cariocas (1961 e 1962) e dois Torneios Rio-São Paulo (1962 e 1964). Foi também vestindo a camisa alvinegra que o ponta-esquerda ajudou o Brasil a erguer a taça Jules Rimet pela segunda vez, em 1962, no Chile.

Treinador

Zagallo deixou os gramados aos 34 anos, iniciando a carreira como treinador. Em 1966, assumiu justamente o Botafogo, sendo bicampeão carioca (1967 e 1968) e conduzindo o Glorioso ao primeiro título brasileiro, em 1968.

Às vésperas da Copa do Mundo de 1970, o Velho Lobo foi chamado para comandar o Brasil no México. Ele teria menos de cem dias para trabalhar. Ainda assim, decidiu mexer no time que era de João Saldanha. Uma das alterações mais marcantes foi a escolha dos cinco jogadores mais avançados. Com Gérson, Rivellino, Tostão, Pelé e Jairzinho, todos camisas 10 nos respectivos clubes, a seleção conquistou o tri.

Após dirigir o Brasil na Copa de 1974, Zagallo passou por diferentes clubes e países (Kuwait, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos), até retornar à seleção em 1991, como coordenador técnico. Ao lado de Carlos Alberto Parreira, fez parte da comissão do tetracampeonato mundial, sendo escolhido para suceder o treinador campeão.

A nova passagem à frente da amarelinha teve momentos amargos, como a eliminação na semifinal da Olimpíada de Atlanta (Estados Unidos) para a Nigéria, mas também de conquistas, como a da Copa das Confederações e da Copa América, ambos em 1997. Esta última foi especial, por ser a primeira do Brasil longe de casa. Após derrotar a anfitriã Bolívia na final, por 3 a 1, na altitude de La Paz, o Velho Lobo disparou contra os críticos a famosa frase: “Vocês vão ter que me engolir!”.

Ele dirigiu Portuguesa e Flamengo (onde venceu o Carioca e a Copa dos Campeões de 2001) antes de, depois do penta, em 2002, reeditar a parceria com Parreira, novamente como coordenador técnico. A dupla levantou as taças das Copas América de 2004 e das Confederações de 2005. O adeus nas quartas de final da Copa do Mundo de 2006, na Alemanha, foi também o último trabalho do Velho Lobo, aos 75 anos.

Foram 135 partidas à frente do Brasil, com 79,7% de aproveitamento, sendo o treinador com mais jogos no comando da seleção. Como coordenador, ele participou de outros 72 jogos (65,7% de aproveitamento). Pois é, “Zagallo craque” não tem 13 letras a toa.

Zagallo Zagallo,tetracampeão,Flamengo Blog do Eliomar
Divulgação

Tópicos Sobre Zagallo

  1. Início da Vida:

    • Nascimento em Atalaia, Alagoas, em 8 de agosto de 1931.
    • Mudança para o Rio de Janeiro ainda na infância.
  2. Descoberta do Talento:

    • Destaque na peneira do América-RJ na Tijuca.
    • Campeão carioca de Amadores em 1949 pelo Mecão.
  3. Passagem pelo Flamengo:

    • Tricampeão carioca (1953 a 1955) com o Flamengo.
    • Experiência marcante como segurança no Maracanã em 1950.
  4. Conquistas na Seleção:

    • Taça Oswaldo Cruz em 1958.
    • Participação na Copa do Mundo de 1958, conquistando o título.
  5. Mudança para o Botafogo:

    • Transferência para o Botafogo em 1958.
    • Conquistas, incluindo dois títulos cariocas e dois Torneios Rio-São Paulo.
  6. Transição para Treinador:

    • Início da carreira como treinador aos 34 anos.
    • Bicampeonato carioca e título brasileiro com o Botafogo em 1968.
  7. Copa do Mundo de 1970:

    • Chamado para comandar o Brasil no México.
    • Condução da equipe ao tricampeonato mundial.
  8. Carreira como Treinador:

    • Passagens por diversos clubes e países.
    • Retorno à seleção em 1991 como coordenador técnico.
  9. Tetracampeonato Mundial:

    • Coordenador técnico na conquista do tetracampeonato em 1994.
    • Momentos amargos e conquistas na segunda passagem pela seleção.
  10. Legado e Frases Marcantes:

    • Dirigiu Portuguesa e Flamengo, vencendo o Carioca e a Copa dos Campeões de 2001.
    • Parceria com Parreira em 2004 e 2005, levantando troféus das Copas América e Confederações.
    • Último trabalho na Copa do Mundo de 2006, encerrando a carreira aos 75 anos.
  11. Recordes e Estatísticas:

    • 135 partidas à frente da seleção, com 79,7% de aproveitamento.
    • Treinador com mais jogos no comando da seleção.
  12. Despedida e Legado:

    • Encerramento da carreira após a Copa do Mundo de 2006.
    • O legado de “Zagallo craque” e sua famosa frase: “Vocês vão ter que me engolir!”.

 

Mais sobre Zagallo:

Morte de Zagallo – CBF decreta luto oficial de sete dias

Essa não dá para engolir… morre Zagallo

COMPARTILHE:
Mais Notícias
Oposição protocola pedido de impeachment de Lula na Câmara

Oposição protocola pedido de impeachment de Lula na Câmara

Deputados federais da oposição protocolaram na quinta-feira (22) pedido de impeachment do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo a assessoria da deputada Carla Zambelli (PL-SP), autora da proposta, o

“Boogie do Bebê” – Tony Campello

“Boogie do Bebê” – Tony Campello

Homenagem do Blog ao cantor paulista Tony Campello, que neste sábado completa 88 anos.

Mulheres são maioria dos candidatos no concurso unificado

Mulheres são maioria dos candidatos no concurso unificado

Dos mais de 2,1 milhões de candidatos com inscrições confirmadas no Concurso Público Nacional Unificado, 56% são do sexo feminino, o equivalente a 1,2 milhão de pessoas. O dado faz

TJCE inicia na segunda-feira novo sistema que julga crimes de subtração de aparelhos celulares

TJCE inicia na segunda-feira novo sistema que julga crimes de subtração de aparelhos celulares

Como forma de processar e julgar todos os procedimentos criminais relacionados à subtração de aparelhos celulares, o Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) inicia na segunda-feira (26) as atividades do

Sport é punido com portões fechados na Copa do Nordeste e Copa do Brasil

Sport é punido com portões fechados na Copa do Nordeste e Copa do Brasil

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu na tarde desta sexta-feira (23 ) que o Sport passará a jogar de portões fechados, quando da condição de mandante na Copa