Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

“Rios e Aldeias”

Professor João Teles. Foto: Reprodução

Com o título “Rios e Alderias”, eis a colaboraçao do professor e historiador João Teles. “O que ocorreu e ocorre no Rio Grande do Sul, precisa ser pedagógico, precisa entrar em nossas mentes, como ensinamento, aprendizagem; tanto para quem lá reside, como para quem viu e/ou soube das notícias que vem de lá”, expõe o articulista.

Confira:

Alberto Caieiro, pseudônimo do poeta português Fernando Pessoa, nos presenteou com uma obra fabulosa sobre o rio de sua infância, de sua terra natal. Poema que nos faz lembrar do rio dos nossos tempos de menino. No meu caso, Juazeiro e Coreaú, onde tomei banho e dei muitas braçadas.

Para Caieiro: “O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia”.

E saber que os rios de nossa meninice estão abandonados, assoreados, precisando de dragagem, escavação, mata ciliar, leito livre… Mas é difícil. As obras (pra eles) não vem, não geram votos, não agradam os senhores administradores. O que fazer? Deixar tudo se acabar?

Não. Um rio, como um jardim, precisa de cuidados cotidianos, eternos. Não se pode deixar um manancial importante ao deus-dará . Não se deve negligenciar com ele, senão nos vem um Rio Grande do Sul sobre a cabeça.

Temos em muitas ruas e cidades, pessoas morando praticamente dentro dos rios, por conta da insensatez e da política do lucro fácil, chamada por aí de especulação imobiliária. Ela manda e desmanda; ela destrói territórios e, muitas vezes, vidas. Inclusive de animais.

Os rios Juazeiro e Coreaú, os da “minha aldeia”, precisam de melhor sorte e um futuro melhor. Suas vazantes e poços d’água são um refrigério para muita gente e muitos animais; seus pés de angico, mangueira e pau-do-rio, dão de comer a meio mundo de pássaros, que, em seus galhos, cantam, felizmente. Um rio tem vida e assegura vida, a tantos outros seres. Por isso precisa ser bem tratado.

O que ocorreu e ocorre no Rio Grande do Sul, precisa ser pedagógico, precisa entrar em nossas mentes, como ensinamento, aprendizagem; tanto para quem lá reside, como para quem viu e/ou soube das notícias que vêm de lá. As escolas, igrejas, entidades, deveriam pautar o tema. Fazer com que mais e mais pessoas saibam do que ocorreu e ocorre lá, e de suas (muitas) consequências.

Precisamos todos cuidar disso. Nas escolas, nas igrejas, nos sindicatos, nos grupos de jovens e coletivos outros.

A coisa é muito séria!

*João Teles,

Professor e historiador.

COMPARTILHE:

Uma resposta

Mais Notícias
SENAI realiza o projeto H-TEC em Fortleza e na Região do Cariri

SENAI realiza o projeto H-TEC em Fortleza e na Região do Cariri

O SENAI do Ceará vai iniciar, nesta segunda-feira, as aulas práticas dos cursos de formação na área de energias renováveis do projeto H-TEC, que busca capacitar mão de obra para

Construir de olho em sustentabilidade

Construir de olho em sustentabilidade

O seminário Expoconstruir Nordeste 2024, encerrado na última sexta-feira, no Centro de Eventos, foi avaliado como um dos melhores. Além das rodadas de negócios e feira, contou com palestras que,

“O Elixir da Vida Longa”

“O Elixir da Vida Longa”

Com o título "O Elixir da Vida Longa", eis artigo de Maurício Filizola, empresário e diretor da Confederação Nacional do Comércio (CNC). Uma boa reflexão sobre nosso presente e nosso

Centro Dragão do Mar encerra hoje prazo para convocatória de ocupação artística

Centro Dragão do Mar encerra hoje prazo para convocatória de ocupação artística

Terminal hoje as inscrições para a terceira edição do Cena Ocupa, convocatória de ocupação artística dos espaços do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Serão selecionadas até 70

Aposta de R$ 2,50 ganha R$ 76,6 milhões na Quina de São João

Aposta de R$ 2,50 ganha R$ 76,6 milhões na Quina de São João

Com uma probabilidade de uma chance em 24 milhões de tentativas, uma aposta realizada no município de Viamão, na Região Metropolitana de Porto Alegre, levou R$ 76,6 milhões na Quina